top of page

2022, ano de Eleições. Como deve agir a igreja? Por Pastor Alair Lima


Foto: Agência Senado
Foto: Agência Senado

Eu vou deixar pra responder a pergunta mais no final do texto, pois antes pretendo fazer algumas considerações importantes que vão respaldar a abordagem do tema proposto.


Me senti motivado a escrever este texto pelo momento que viveremos neste ano eleitoral. Antes de tudo, faz-se necessário lembrar que o conceito correto de igreja é aquele que define que cada discípulo verdadeiro comprometido com Jesus é a igreja de Cristo, e age em conformidade com os ensinos de Jesus.


A partir deste princípio, apresento-lhes 8 pontos que formarão as bases da temática deste texto neste tempo de eleições:


1 – A orientação aos membros da igreja é que não anulem seu voto. Votem com consciência, com liberdade; não deixem ser enganados por ninguém, por líder nenhum, nem pelo seu pastor, muito menos por candidato algum. O voto é direito seu, da sua consciência. Não pode mais existir voto de cabresto. Já imaginou como ficará aquele pastor que diz pra sua igreja votar em determinado candidato mas depois o político toma ações erradas?

2 - A igreja orienta que nenhum crente deve perder nenhuma amizade por causa da política. A campanha acaba e as amizades precisam continuar.


3 – Nenhum dos políticos, por melhores que sejam suas propostas, jamais se comparam com a mensagem que a igreja prega: que a fidelidade a Deus está acima de qualquer coisa, até da vida. O político coloca a fidelidade como partidária; os interesses do partido e os seus próprios acima de qualquer outra coisa.



4 - A igreja orienta seus membros a não compartilharem fakes, e que cada crente deve procurar conhecer bem a história do seu candidato e votar naquele que pode representá-lo dignamente.


5 – A igreja orienta que fake news é crime, é mentira, e a Bíblia diz que a mentira é do diabo. Políticos que são eleitos usando fake news não terão seu período de governança abençoado por Deus, pois Ele não vai abençoar um político que usou a mentira para se eleger.


6 – A igreja pode até orar (e deve orar) por aqueles candidatos que visitam os templos em época da campanha, mas não deve ceder a palavra nos momentos dos seus cultos para nenhum candidato. O culto é adoração a Jesus!


7 – A igreja não depende da política; a política pode até depender da igreja. A política trabalha com valores terrenos (corrompidos); a igreja trabalha com valores espirituais (valores que não se corrompem).


8 – A igreja não precisa estar fazendo acordos políticos ou com os políticos visando resguardar a fé e a vida dos seus membros. Jesus é o dono da igreja, e é Ele quem a protege.

Eu acredito que assim deve agir a igreja. Este ano de eleições não será fácil. Como servos, cuidemos da imagem desta Igreja que tanto defendemos!


Fiquem na Paz!

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Alair Lima é Pastor Presidente da Primeira Igreja Batista de Jardim Alcântara desde janeiro de 2011.


POLÍTICA

KOTIDIANO