top of page

Adeus, Bozo! MPF aponta desvio de recursos públicos no caso das joias sauditas

A Procuradoria acredita que há indícios dos crimes de peculato

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e as joias dadas de presente pela Arábia Saudita. Foto: Reprodução
O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e as joias dadas de presente pela Arábia Saudita. Foto: Reprodução

DCM - O Ministério Público Federal (MPF) identificou indícios de crimes no caso das joias sauditas e aponta que o episódio pode configurar desvio de recursos públicos. Procuradores responsáveis pela investigação fizeram uma manifestação que tramita junto da apuração da Polícia Federal de São Paulo. A informação é da coluna de Aguirre Talento no UOL.


A Procuradoria acredita que há indícios dos crimes de peculato, que tem pena prevista de dois a doze anos de prisão, e do patrocínio de interesse privado perante a administração fazendária, com pena de reclusão de um a quatro anos.


O conjunto de joias avaliado em R$ 16,5 milhões foi recebido de presente do governo da Arábia Saudita e trazido em outubro de 2021 em comitiva do ex-ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque. Os itens foram retidos pela Receita Federal e, em dezembro do ano passado, antes do fim do mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro, o Palácio do Planalto tentou retirar os bens.



A Receita já havia aberto um prazo para o governo federal apresentar a documentação necessária e retirar os bens, mas o processo se encerrou em julho de 2022 e foi decretado o “perdimento” dos itens, o que fez com que eles fossem integrados ao patrimônio da União.

Para o MPF, a operação para recuperar os itens após o “perdimento” configura o crime de peculato. “A partir da decretação de perdimento dos bens, os bens passam a ter natureza eminentemente pública, descabendo qualquer destinação particular, ainda que ao acervo pessoal do presidente da República”, afirma o órgão.


Investigadores acreditam que houve uma “urgência desproporcional” no caso e apontam que o objetivo da retirada das joias era desviá-las para o patrimônio pessoal de Bolsonaro. À época, foi enviado um ofício do então ajudante de ordens da Presidência, o tenente-coronel Mauro Cid, à Receita Federal e o próprio então chefe do órgão pressionou servidores para a liberação.


“As circunstâncias objetivas do caso sugerem uma possível tentativa de desvio das joias retidas para o patrimônio particular do ex-presidente da República, com possível patrocínio do ex-secretário especial da Receita Federal (Julio Cesar Vieira Gomes) perante a Administração Fazendária”, dizem os procuradores Gabriela Saraiva e Alexandre Jabur.


O MPF diz que o governo tentou dar uma “roupagem formal” à tentativa de desviar as joias, o que não foi concretizado por “resistência” da Receita.


“A análise prefacial sugere a conclusão de que as circunstâncias objetivas que envolvem os fatos, somadas à urgência desproporcional imposta ao procedimento, denotam a presença de indícios do cometimento, em tese, de crimes, os quais devem ser mais bem apurados”, argumentam os procuradores.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


POLÍTICA