top of page

Bêbado, bolsonarista matou guarda civil de modo torpe com motivação política, conclui Polícia

Jorge Guaranho, homem que matou o petista Marcelo Arruda no sábado (9), foi à festa com temática de Lula após ter sido avisado num churrasco em que estava

Marcelo Arruda e família/Foto: Reprodução
Marcelo Arruda e família/Foto: Reprodução

Fórum - Em coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (15) para revelar a conclusão do inquérito sobre o assassinato do dirigente petista e guarda municipal Marcelo Arruda pelo agente penal e militante bolsonarista Jorge Guaranho.


De acordo com a delegada responsável pelo caso Camilla Cecconello, Jorge Guaranho tomou conhecimento da festa de Marcelo Arruda, que tinha como tema o PT e o Lula, durante um churrasco em que participava. Segundo a Cecconello, testemunhas afirmaram que uma pessoa que estava no mesmo churrasco que Guaranho tinha acesso às câmeras de segurança da Aresf.


A delegada também acredita que a pessoa que tinha acesso às câmeras “não mostrou por maldade”. Ela também revelou que a testemunha, dona do celular, está abalada, pois, não imaginava que, ao tomar conhecimento, Jorge Guaranho fosse fazer o que fez.


Segundo a delegada, testemunhas relataram que no momento Jorge Guranho nada comentou sobre a festa de Marcelo Arruda e que ele permaneceu por mais de 1 hora no churrasco.



Guaranho provoca família de Marcelo Arruda

Segundo a policial, Guaranho estava alcoolizado. Ao sair do churrasco, ele foi até a Aresf, onde acontecia a festa de Marcelo Arruda, e começou a provocar ao colocar a música referente ao presidente Bolsonaro.


Neste momento, começa a discussão entre Arruda e Guaranho. Segundo a delegada, a conversa girou em torno de Bolsonaro e Lula. O agente penal vai embora e, posteriormente, retorna no local. Segundo a investigação, neste momento Arruda, com a arma em punho, avisa ao agente penal que é policial e pede para Guranho ir embora, porém, o agente penal ignora a súplica de Arruda e inicia os disparos contra Arruda.

Com a conclusão do inquérito, Jorge Guaranho será indiciado por homicídio duplamente qualificado: motivo torpe e perigo comum, pois, colocou outras pessoas em risco de vida.

Crime de ódio

Questionada o assassinato de Marcelo Arruda foi motivado por crime de ódio, a delegada afirma que não e que, segundo relato da esposa de Guaranho, ele retorna à festa porque "se sentiu humilhado".


Ainda sobre a não qualificação como crime de ódio, Camilla Cecconello afirma que a investigação reconhece a motivação politica do assassinato de Marcelo Arruda, mas afirma que o contexto como um todo não se enquadra naquilo que é entendido como um ato que buscou impedir a manifestação de ação política.


Para a delegada, Jorge Guaranho, em um surto de raiva, queria "acertar as contas com Marcelo Arruda", pois, de acordo com o relato de tesemunhas, quando o agente penal retorna ao local ele diz à esposa de Arruda que a questão dele era com o guarda municipal e não com as outras pessoas presentes na festa.


Também está descartada a especulação de que Jorge Guaranho e Marcelo Arruda se conheciam.


Além disso, a delegada Cecconello revelou que, de acordo com testemunhas que estavam no mesmo churrasco que Jorge Guaranho, o agente penal havia consumido grande quantidade de álcool e "estava bastante alterado".


Por fim, a delegada reforçou que Marcelo Arruda agiu em legítima defesa.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.