top of page

Buffet fecha as portas e dá calote em clientes em Niterói

A empresa encerrou suas atividades sem aviso prévio e não providenciou o reembolso dos valores já pagos

O caso está sendo acompanhado pela Polícia Civil, que investiga as denúncias contra o buffet - Foto: Reprodução
O caso está sendo acompanhado pela Polícia Civil, que investiga as denúncias contra o buffet - Foto: Reprodução

Um buffet de Niterói está sendo acusado por diversas famílias de quebrar contrato e não devolver o valor pago para a realização de festas. Segundo as vítimas, a empresa encerrou suas atividades sem aviso prévio e não providenciou o reembolso dos valores já pagos pelos clientes. As informações são da Band News. 


Um dos casos é o de uma contadora, que contratou os serviços do buffet em março para a festa de aniversário de 5 anos da filha. O valor total da festa era de R$5.000, e ela já havia pago R$3.000 em sinal e as parcelas restantes estavam sendo divididas em quatro vezes. A festa estava agendada para o dia 20 de julho com o tema Turma da Mônica.


No entanto, no dia 1º de julho, um dia antes do comunicado oficial de encerramento das atividades, o buffet entrou em contato com a cliente solicitando o pagamento antecipado da última parcela. A contadora, acreditando nas explicações da empresa, efetuou o pagamento de R$500.



No dia seguinte, a empresa comunicou o encerramento das atividades alegando problemas de saúde da proprietária e informando que todo o material seria vendido para indenizar os clientes. Desde então, ela não consegue mais contato com a empresa, assim como outros clientes que também tiveram festas canceladas.

Diante da situação, a cliente foi obrigada a contratar outro buffet para a festa da filha, porém este não oferecia a decoração desejada, o que gerou transtornos adicionais para a organização do evento.


Uma turismóloga também foi uma das vítimas do buffet. Ela contratou um pacote promocional para a festa de 3 anos da filha em maio, no valor de R$3.000, que só poderia ser pago à vista. A festa estava prevista para acontecer no dia 7 de julho.




No entanto, no dia 22 de junho, ela participou de uma festa onde a decoração ficou por conta do buffet e ouviu relatos de problemas enfrentados por outros clientes. Preocupada, ela tentou contato com a empresa, mas não obteve sucesso.


Diante dos transtornos causados pelo buffet, os clientes prejudicados se uniram em um grupo em um aplicativo de mensagens para compartilhar documentos, comprovantes e contratos, além de criarem uma lista com os nomes das pessoas lesadas, valores dos prejuízos e números dos boletins de ocorrência registrados na Polícia Civil.



Até o momento, os clientes ainda não receberam o reembolso dos valores pagos e a situação segue em aberto. O caso está sendo acompanhado pela Polícia Civil, que investiga as denúncias contra o buffet.


Via OSG.


Nos siga no BlueSky AQUI.

Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

POLÍTICA