top of page

Cantor gonçalense que adotou o mundo como morada lança 'Enquanto a terra girar'

Matheus Fonseca lança álbum de estreia como herdeiro da melhor tradição dos músicos de São Gonçalo


Por Armando Palavra

Matheus Fonseca/Divulgação
Matheus Fonseca/Divulgação

O cantor gonçalense Matheus Fonseca, 30, é o que se pode chamar de cidadão do mundo. E exatamente por isso, tem no seu álbum de estreia, Enquanto a terra girar, influências de várias culturas e sonoridades que se entrelaçam à musicalidade brasileira, desde o que se convencionou chamar MPB, ao clássico voz e violão dos bares noturnos que os músicos de sua cidade natal elevaram a gênero musical.


Nisso, o jovem músico faz jus à tradição que tem em Altay Veloso, Aluçã, Fábio Borges, Peixinho, Simone Santó e Alexandre Santos seus maiores expoentes dentre tantos outros que fizeram história nos bares icônicos da cidade como Totonto, Vira e Mexe, Saculejo, verdadeiros templos da boemia.



"Enquanto a terra girar é além de um disco uma mensagem, um caminho de experimentação; para o ouvinte atento é uma viagem pra dentro de si mesmo", arrisca Fonseca a definir sua própria obra, distribuído no release de divulgação.


Quem ouve o álbum com atenção depois de ler um pouco da história do músico violonista, consegue captar essas mensagens a que se referiu na canção "Soteropolitana", estourada em Portugal, e "Soledad", um bolero composta em espanhol, e por quem já tem intimidade com a língua. Hoje ele mora no Equador depois de percorrer mais de 20 países.


Logo após Soledad, somos convidados a revivenciar o Uma Noite na Taverna, eterno evento de poesia gonçalense, com o poema "Da porta pra dentro" que fala sobre o Tempo, esse ente onde "a vida simplesmente acontece". Uma bela declamação que harmoniza com o ritmo que ele dá ao álbum, sem pressa que o aprece, pois sabe que a arte não tem preço.


O poema é mais uma mensagem de vida desse economista formado na UFF que largou tudo para viver a música após uma experiência mística no Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha.


Se você não tinha nada em mente para presentear alguém nesse Natal, não tem erro: Matheus Fonseca. Um descoberta de vida. Uma ressurreição na arte!


E o melhor: você pode ouvir graciosamente.


 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.


POLÍTICA