top of page

Comerciante assassinado em SG pode ter sido vítima da 'máfia dos cigarros'

Vítima já tinha saído do Rio porque se recusou a pagar taxas à milícia

Depósito de bebidas no Porto da Pedra/Foto: Reprodução
Depósito de bebidas no Porto da Pedra/Foto: Reprodução


A Polícia Civil tem novas denúncias sobre quem seriam os autores da execução do comerciante, Thiago Trigueiro Gomes, de 37 anos, assassinado no depósito de bebidas onde ele era proprietário, na Rua Joaquim de Oliveira, no Porto da Pedra, em São Gonçalo.


Investigação da Delegacia de Homicídios de Niterói Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG) revelam que ele teria sido morto por estar se recusando a comprar cigarros contrabandeados de um grupo que atuaria também no comércio de máquinas caça-níqueis na região.


Thiago foi morto por dois homens dentro do estabelecimento em que era proprietário, na manhã do dia 9 de janeiro. Informações dão conta de que dois homens, em uma moto, foram até Thiago com objetivo de convencê-lo, mais uma vez, a comprar e comercializar os produtos do grupo, procedimento que já havia ocorrido pelo menos duas vezes, a partir do final do ano passado.



Com a recusa do comerciante, os homens, que usavam capacetes para tentar não serem identificados, acabaram executando Thiago a tiros. Eles teriam fugido para uma rua próxima ao morro do Abacatão, no Boavista, e deixado a moto próximo àquela comunidade numa suposta tentativa de desviar o foco para que o crime fosse atribuído a traficantes de drogas da região, versão que ganhou força no noticiário.


Os policiais da DHNISG já tomaram alguns depoimentos e também analisam imagens de câmeras para tentar chegar aos executores.


Thiago estava há alguns meses em São Gonçalo, tentando se restabelecer através de seu trabalho porque também havia saído do Rio, sob ameaças de milicianos, por também ter se recusado a pagar "taxas' para trabalhar.


Quem tiver informações sobre o caso, pode informar ao Disque Denúncia, pelos seguintes canais de atendimento:


Central de atendimento: (021) - 2253 1177 ou 0300-253-1177.


Com informações de OSG.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.




POLÍTICA