top of page

Criança atira na própria cabeça com arma do pai e morre em SP

Os pais escutaram o barulho do tiro e já encontraram o menino gravemente ferido no chão


Foto: Redes sociais/Reprodução
Foto: Redes sociais/Reprodução

Revista Fórum - Um menino de 9 anos morreu após encontrar a arma que o pai, um homem de 32 anos com registro de CAC (Caçador, Atirador e Colecionador), mantinha em casa, deixada em cima de um armário na cozinha, e disparar acidentalmente contra a própria cabeça. A tragédia ocorreu em Ferraz de Vasconcelos, na Região Metropolitana de São Paulo, na noite de segunda (11).


A mãe da criança contou aos policiais que registraram a ocorrência que, enquanto assistia à TV, o filho disse que ia comer algo na cozinha. Neste momento, pai do garoto estava deitado no quarto, descansado. O casal informou que minutos depois escutou o estampido do tiro e correu até o cômodo, encontrando o menino deitado no chão sobre uma poça de sangue. Eles ainda tentaram socorrê-lo levando-o até um hospital da região, mas já era tarde.




No seu depoimento na Delegacia Sede de Ferraz de Vasconcelos, o responsável pela criança e dono da pistola disse que sempre deixava a arma em locais diferentes e inacessíveis ao filho e que ao colocar a arma em cima do armário, a deixou sem uma munição na câmara e com a trava de segurança acionada. Ele disse crer que o menino tenha acionado o mecanismo de engatilhar a pistola, assim como a destravado, e que possivelmente aí ocorreu o disparo.


O pai afirmou ainda que nunca ensinou o filho a mexer na arma e que em várias oportunidades a mostrou a ele e explicou que se tratava de um objeto perigoso, que jamais deveria ser manuseado.


O delegado responsável pelo caso determinou a realização de uma perícia no local do fatídico episódio e registrou a ocorrência como homicídio e omissão de cautela conforme o estatuto do desarmamento.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.




POLÍTICA