top of page

Crianças são vacinadas contra covid em SG

Inicialmente serão vacinadas crianças com comorbidades, índigenas e quilombolas


Matheus, 11 anos / Foto: Renan Otto
Matheus, 11 anos / Foto: Renan Otto

A Secretaria Municipal de Saúde de São Gonçalo deu início à vacinação contra a covid-19 de crianças de 5 a 11 anos nesta terça (18). A primeira criança a se vacinar foi Kauã Batista Silva, de 11 anos. Ele foi à Clínica Municipal da Criança Célio Carvalho Martins, na Zé garoto, acompanhado da mãe Suelen Batista Silva, e estava animado com a vacinação.

“Eu estou muito feliz de ser a primeira criança vacinada na minha cidade. Não doeu nada. Eu nem tive medo da agulha”, afirmou Kauã.

A mãe, Suelen, lembrou aos pais a importância de vacinar os filhos. “Quando eu soube que ia liberar a vacinação para a idade do Kauã, fiquei muito feliz e quis trazer ele logo no primeiro dia. Primeira dose ok. Agora é só esperar a segunda”, disse.


Inicialmente, vão receber a primeira dose do imunizante Pfizer, as crianças com comorbidade e deficiência permanente. Posteriormente, a vacinação segue para as outras crianças.




Na Clínica Municipal Gonçalense, no Mutondo, Ana Paula Rocha Pimentel levou a filha Sophia, de 10 anos para vacinar. “Eu estava com grande expectativa para vacinar logo; ela que tem fibrose cística, uma doença congênita e hereditária que afeta o fígado, o pâncreas e o pulmão. Eu sou da área da saúde e sei a importância dessa imunização para a minha filha”, conta.

Para a operadora de caixa Andrea Elias da Silva Lessa, de 44 anos, a imunização do filho Matheus, de 11 anos, simboliza a esperança que seu marido não teve.


“O pai do Matheus, foi o primeiro policial militar a morrer de covid no Estado do Rio, o sargento Jorge Lessa. Ele deixou a gente em casa para salvar as pessoas e acabou ficando doente e morreu. Hoje, eu e meu filho estamos imunizados”, disse Andrea, emocionada.


Para receber a dose da vacina não é exigida prescrição médica, apenas o laudo médico para as crianças com comorbidade e deficiência permanente. É necessária a presença do responsável legal, que deve levar a carteira de vacinação da criança. Para as crianças que moram com pessoas que têm alto risco para o covid-19, os laudos das pessoas envolvidas.




É importante que os responsáveis também levem certidão de nascimento ou identidade, cartão do SUS ou CPF e caderneta de vacinação. Quem tomou outro tipo de vacina recentemente precisa esperar 15 dias para receber o imunizante contra covid-19.

Os pais que não tiverem como levar os filhos para a vacinação, devem fazer documento por escrito (pai ou mãe) para qualquer pessoa com mais de 18 anos levar a criança até o ponto de vacinação. Neste caso, o genitor que assinar a declaração também deve entregar um documento de identidade com foto para o responsável provar a autenticidade do consentimento.


Acamados – Para as crianças entre 5 e 11 anos acamadas, os responsáveis devem enviar email para: vacina.acamados.sg@gmail.com para solicitar a vacinação em casa com as seguintes informações: nome, endereço, comorbidade ou deficiência permanente, motivo de ser acabado, idade e telefone para contato.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.






POLÍTICA