top of page

RJ: Dados biométricos do Detran serão usados para identificar eleitores no dia da votação

Mais de 1,8 milhão de eleitores que ainda não cadastraram a biometria na Justiça Eleitoral poderão usar o sistema


Foto: Marcello Casal Jr./Arquivo Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Arquivo Agência Brasil

Brasil de Fato - No estado do Rio de Janeiro, mais de 1,8 milhão de eleitores que ainda não cadastraram a biometria na Justiça Eleitoral poderão votar com identificação das digitais.


De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), isso será possível devido à utilização dos registros biométricos do Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran-RJ) que foram recebidos pelo TRE-RJ, por meio de parceria firmada entre os dois órgãos.


Com a inclusão das informações biométricas no cadastro eleitoral, o comparecimento aos cartórios eleitorais, por parte de eleitores que não coletaram suas digitais junto à Justiça Eleitoral, fica dispensado. Contudo, será necessário validar a biometria no dia da eleição.



No dia do pleito, mesárias e mesários irão consultar os cadernos de votação, onde constarão junto aos dados para identificação dos eleitores o aviso “Biometria fornecida por órgão conveniado à Justiça Eleitoral”.


A habilitação dessas pessoas acontecerá de forma idêntica àquela que é feita com a biometria coletada pela Justiça Eleitoral. O procedimento poderá ser repetido até quatro vezes, nos casos de biometria não reconhecida.


Todos os 92 municípios fluminenses terão identificação híbrida. Isto é, eleitores poderão votar após a identificação por meio do documento oficial com foto e das digitais, ou apenas com o documento.




O TRE-RJ já tem registrada a biometria de 7.260.036 eleitores, o que corresponde a 56,6% do eleitorado total do estado, de 12.827.296 pessoas. Atualmente, 5.567.260 não têm as digitais registradas.


A iniciativa faz parte de projeto do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para Importação de Biometrias de Órgãos Externos – BioEx, que prevê o aproveitamento de dados biométricos de eleitores disponíveis nas bases de órgãos públicos. O compartilhamento de dados está previsto em resolução do TSE e na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.