top of page

Em audiência, vereadores se comportam como relações públicas da Águas do Rio

Empresa, que assumiu os serviços da Cedae, é criticada pelos gonçalenses


Por Helcio Albano

Sérgio Braga, superintendente da Águas do Rio/Foto: Reprodução TV Câmara
Sérgio Braga, superintendente da Águas do Rio/Foto: Reprodução TV Câmara

A Câmara de Vereadores de São Gonçalo promoveu entre a manhã e tarde desta quinta (09) audiência pública com a concessionária Águas do Rio (Aegea), que substituiu a Cedae após sua privatização em abril de 2021.


A empresa, que assumiu a outorga dos serviços de distribuição de água e de saneamento no município em dezembro de 2021, vem sendo alvo de uma série de reclamações dos gonçalenses. Entre elas, estão a falta crônica de água, dificuldade de atendimento e a cobrança indevida nas contas, muitas delas triplicando de valor.


Os vereadores, em vez de apertarem os representantes da concessionária em busca de esclarecimentos pelo bem do interesse público, preferiram atuar como relações públicas da empresa e do seu gerente de operações e "dono do registro" na cidade presente à audiência, Marcelo Dib, ex-diretor da Cedae, constantemente elogiado pelos edis por sua "presteza" e "compromisso" com a municipalidade.


Sem precisar de procuração, o maior entusiasta defensor da Águas do Rio frente as críticas generalizadas da população à concessionária, que inclui até falta de reparo em ruas e calçadas quebradas e deixadas para trás pelos "colaboradores" após fazerem o estrago, foi o sr. Lecinho Breda (MDB), presidente da Câmara:



"Não é só reclamar (...) A empresa tem um tempo para começar a desenvolver todo o trabalho que ela tem que desenvolver. Se não me falha a memória tem 25, 30 anos para ela (Águas do Rio) poder alcançar os 90% do que tem que ser alcançado", disse Lecinho, para imediatamente ser corrigido.


O prazo para regularizar o fornecimento de água e serviços de esgoto a 100% da população é de 12 anos.


Tirando um ou outro parlamentar que fez cobranças localizadas da concessionária, muito pouco foi arrancado da empresa, além da informação de que já existem 41 mil residências com status de tarifa social em São Gonçalo. E de que, em apenas sete meses, a base de clientes cresceu 20%, chegando a 300 mil. Feito celebrado pelo superintendente da Águas do Rio, Sérgio Braga: "Coisa nunca feita na vida (da Cedae)", disse ele.


De acordo com o cronograma, todos os gonçalenses se tornarão clientes em até cinco anos. E, ao final desse prazo, começar a pagar dobrado a conta, que já virá com a cobrança de captação e tratamento de esgoto. Ou seja pagar o que entra (água)e o que sai (esgoto).


O metro cúbico da água (1.000 litros) custa aproximadamente R$ 3,80 na tarifa normal residencial. Na tarifa de categoria social, o mesmo metro cúbico custa R$ 1,45. O valor base cobrado por estimativa em tarifa normal residencial é de R$ 58,00, que equivale a 15 metros cúbicos (15.000 litros).

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Helcio Albano é jornalista e editor-chefe do Jornal Daki.


POLÍTICA

KOTIDIANO