top of page

Entre manchetes e caos: 'sobre o óbvio' no cotidiano da educação brasileira

Por Hélida Gmeiner Matta

"Bolsolão do MEC" derrubou ministro. Mais um óbvio ululante do fracasso da Educação como projeto/Foto: Reprodução
"Bolsolão do MEC" derrubou ministro. Mais um óbvio ululante do fracasso da Educação como projeto/Foto: Reprodução

Acompanhar as notícias sobre educação na mídia tradicional, especialmente nos jornais, hoje mais acessíveis nas versões online, ao mesmo tempo em que vive o cotidiano escolar, é um exercício angustiante, inevitavelmente. Por outro lado, é necessário.


Das notícias que trago para essa matéria, a mais antiga tem pouco mais de um mês. Todas trazem dados que, interligados, expressam a situação atual da educação básica pública e comprovam a afirmação feita por Darcy Ribeiro há quase 50 anos. Foi realista à época, mas foi também, lamentavelmente profético.


Selecionei 5 matérias, de diferentes fontes, linhas ideológicas e instâncias governamentais. Todas demonstram o estado caótico atual.


Câmara aprova anistia a gestores que não investiram o mínimo em educação na pandemia”[1] Manchete de 11/04/22 no G1, conta como o congresso validou uma argumentação descabida, dos gestores que negligenciaram a educação durante os meses de escolas fechadas em razão da pandemia de Covid-19.


Em 25/03/22 duas manchetes chamaram a atenção, uma delas, bombástica, como se diz no jargão jornalístico. Ambas estão conectadas pelos interesses da extrema direita conservadora. “RJ: governo publica decreto para converter rede de ensino técnico em escolas cívico-militares[2] do jornal Brasil de Fato discorre sobre apropriação e transformação da FAETEC em escolas do modelo militar, pelo governo do estado. Notícia que revoltou os profissionais, o sindicato e provocou reação da Assembleia Legislativa.



Mas no mesmo dia, outra manchete: “O bolsolão do MEC virou o maior escândalo de corrupção do governo Bolsonaro[3]A notícia da Isto é que, apesar de estarrecedora, apenas confirma que os recursos, provenientes dos nossos caros impostos, muito menos chegam às necessidades e demandas da educação, mas sim são investimentos dos gabinetes paralelos e lobistas pentecostais do governo federal. É de embrulhar o estômago de qualquer um.


As duas últimas manchetes tratam de temas locais, São Gonçalo e Niterói. Em 20/03/22 O Globo publicou “Em Niterói, pais de alunos com deficiência cobram mais inclusão nas escolas da rede[4], nos mostrando que a luta por educação inclusiva está longe de ser vencida mesmo em uma cidade que acredita ter a melhor educação inclusiva da região metropolitana do Rio.


Escolas de São Gonçalo voltam às aulas mas pais relatam falta de professores[5], de O São Gonçalo. A mais antiga das manchetes selecionadas é de 10/03/22, mas veio à tona novamente após denúncias, nesta semana, de que em cerca de 100 escolas da rede municipal, que conta com 114 unidades escolares, a carência permanece. Mesmo depois de mais de um mês e de um concurso público em vigor, a prefeitura se mantém morosa na convocação de profissionais, deixando os estudantes do município sem uma educação adequada.


É preciso ler esses fatos articuladamente, é preciso enxergar seus resultados obscuros. Darcy Ribeiro tinha razão. A nossa elite política promove o fracasso da educação pública brasileira como forma de manter nossas classes populares na subalternidade cultural.


Colaboração e revisão: Alba Nascimento

[1] https://g1.globo.com/politica/noticia/2022/04/11/camara-pec-que-anistia-gestores-que-nao-investiram-o-minimo-em-educacao-na-pandemia.ghtml#amp_tf=De%20%251%24s&aoh=16497955055538&referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&ampshare=https%3A%2F%2Fg1.globo.com%2Fpolitica%2Fnoticia%2F2022%2F04%2F11%2Fcamara-pec-que-anistia-gestores-que-nao-investiram-o-minimo-em-educacao-na-pandemia.ghtml [2] https://www.brasildefato.com.br/2022/03/25/rj-governo-publica-decreto-para-converter-rede-de-ensino-tecnico-em-escolas-civico-militares [3] https://istoe.com.br/o-mensalao-de-escandalo-bolonaro/ [4] https://oglobo.globo.com/rio/bairros/em-niteroi-pais-de-alunos-com-deficiencia-cobram-mais-inclusao-nas-escolas-da-rede-25439109#amp_tf=De%20%251%24s&aoh=16497966982636&referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&ampshare=https%3A%2F%2Foglobo.globo.com%2Frio%2Fbairros%2Fem-niteroi-pais-de-alunos-com-deficiencia-cobram-mais-inclusao-nas-escolas-da-rede-25439109 [5] https://www.osaogoncalo.com.br/geral/119222/escolas-de-sao-goncalo-voltam-as-aulas-mas-pais-relatam-falta-de-professores#amp_tf=De%20%251%24s&aoh=16497972126866&referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&ampshare=https%3A%2F%2Fwww.osaogoncalo.com.br%2Fgeral%2F119222%2Fescolas-de-sao-goncalo-voltam-as-aulas-mas-pais-relatam-falta-de-professores

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Hélida Gmeiner Matta é professora da Educação Básica da rede pública. Pedagoga, Especialista em alfabetização dos alunos das classes populares, Mestre em Educação em Processos Formativos e Desigualdades Sociais e membra do Coletivo ELA – Educação Liberdade para Aprender.