top of page

Fachin dá chega pra lá na turma do viagra: eleição é tema das 'forças desarmadas'

Ministro disse que é “proveitoso” para logística e administração das eleições, mas que o processo eleitoral é um tema civil

Fachin em evento de testes das urnas/Foto: Band-Uol
Fachin em evento de testes das urnas/Foto: Band-Uol

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, disse nesta quinta-feira (12) que as eleições são assunto de “forças desarmadas” e de civis.


A declaração do ministro se dá em um momento em que o bozo e milicos do governo têm ampliado as insinuações sobre a falta de segurança no sistema eleitoral e também os ataques às urnas eletrônicas.


Na segunda-feira (9), o TSE negou sugestões das Forças Armadas para o processo eleitoral.


A Justiça Eleitoral está aberta a ouvir, mas jamais está aberta a se dobrar a quem quer que seja tomar as rédeas do processo eleitoral”, disse Fachin à imprensa durante evento no tribunal para testes nas urnas eletrônicas.


Fachin afirmou que o trabalho das Forças Armadas é “proveitoso” para logística e administração das eleições, mas que o processo eleitoral é um tema civil.



Além disso, a contribuição [das Forças Armadas] que se pode fazer é de acompanhamento do processo eleitoral. Quem trata de eleição são forças desarmadas. E, portanto as eleições dizem respeito à população civil que de maneira livre e consciente escolhe seus representantes”, disse o ministro.


No final de 2021, o TSE criou uma comissão de transparência das eleições que reúne diversas instituições, como as Forças Armadas e especialistas, para discutir as regras eleitorais. Desde então os militares têm feito sugestões de mudanças no processo eleitoral que espelham ideias explicitadas pelo coisa ruim.


Fachin afirmou ainda que quem coloca dúvidas sobre o sistema eleitoral “não confia na democracia” e disse que não se trata de um “recado”, mas de uma “constatação”.


Quem defende ou incita a intervenção militar está praticando ato de afronta à Constituição e à democracia. Não se trata de recado, é uma constatação”, afirmou.


Com informações de DCM.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA