top of page

Falso esloveno assassinado em Santos é suspeito de ser 'matador de aluguel' procurado pela Interpol

Homem na verdade era sérvio

Polícia Civil descobriu que homem executado na frente da esposa era sérvio procurado pela Interpol — Foto: Reprodução
Polícia Civil descobriu que homem executado na frente da esposa era sérvio procurado pela Interpol — Foto: Reprodução

O homem morto a tiros, com características de execução, na frente da esposa e do filho em Santos, no litoral de São Paulo, não é esloveno. Dejan Kovac, como fora identificado inicialmente, era na verdade o sérvio Darko Geisler, procurado pela Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol). Ele é suspeito de ser matador de aluguel. As informações são do G1.


Geisler foi executado na Rua São José, no bairro Embaré, em Santos. O sérvio chegou a ser resgatado consciente pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas sofreu uma parada cardiorrespiratória a caminho da Santa Casa de Santos e morreu.



A esposa de Darko Geisler afirmou à Polícia Civil, que registrou detalhes da investigação em um boletim de ocorrência, que a vida pregressa dele "não lhe dizia respeito".


Quem era Darko Geisler?

Segundo apurou a reportagem, o homem trabalhava no Brasil como marceneiro. Vizinhos e a funcionária de uma panificadora local o definiram como uma pessoa "reservada" e "tranquila".


O registro da Polícia Civil, porém, apontou que o nome de Darko Geisler constava na lista de 'difusão vermelha' da Interpol como suspeito de ser "matador de aluguel".


Ainda de acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Civil, contra Darko Geisler havia uma ordem de prisão internacional. Ele era integrante de uma organização criminosa que atua na Sérvia, segundo o registro, e era suspeito de cometer homicídios, além de portar armas e explosivos em Montenegro.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI 

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA