top of page

Game over: Hello Kitty e Vinte Anos morrem em confronto com a polícia

Criminosos engrossam lista de ‘caciques’ do tráfico mortos em São Gonçalo


De A Tribuna

Reprodução Internet
Reprodução Internet

Na manhã desta sexta-feira (16), os traficantes Rayane Nazareth Cardoso da Silveira, a Hello Kitty, e Alessandro Luiz Vieira de Moura, o Vinte Anos, morreram em confronto com a polícia. Com isso, eles entram para a lista de “grandes chefes” do tráfico de drogas, na cidade de São Gonçalo, que “saíram de cena”, nos últimos anos. Eles estão entre os criminosos mais procurados da região.


De acordo com relatos iniciais, militares do 7º BPM (São Gonçalo), em conjunto com policiais civis da 72ª DP (São Gonçalo) teriam ido à região de Itaoca, dentro do Complexo, para averiguar denúncia de um suposto sequestro, com reféns em cativeiro. No local, os agentes teriam encontrado os criminosos e sido recebdios a tiros. Os policiais revidaram, dando início ao confronto.



Durante o tiroteio, Hello Kitty e Vinte Anos, além de outros dois criminosos, ainda não identificado, teriam sido baleados e acabaram morrendo no local. Durante a ocorrência, pelo menos dois fuzis e duas pistolas, usados pelos bandidos, teriam sido apreendidas. Um veículo blindado da Polícia Militar prestou apoio á ação. Desde as primeiras horas da manhã, moradores da localidade relataram os tiroteios, por meio da internet.


Hello Kitty e Vinte Anos eram da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA) e tinham o controle sobre o tráfico de drogas na região da Nova Grécia, em São Gonçalo. De acordo com informações contidas em dados de investigações, eles se aliaram ao Comando Vermelho (CV), de Antônio Ilário Ferreira, o Rabicó, em troca de “proteção”. Os criminosos estavam escondidos no Salgueiro há alguns meses.



Mortes de peixes grandes do tráfico

Em 25 de abril de 2019, o traficante Schumaker Antonácio do Rosário, o Piloto, foi morto em meio a uma cisão no Comando Vermelho. O mandante do crime foi seu ex-aliado, Thomas Jayson Gomes Vieira, então conhecido como 2N. Este último teria ficado sabendo de um suposto plano de Piloto e António Ilário Ferreira, o Rabicó, para executá-lo.



Schumaker foi morto durante uma reunião, no Complexo do Salgueiro. Após o crime, 2N fugiu da região e se aliou ao Terceiro Comando Puro (TCP). O corpo de Piloto e outros três aliados foi encontrado, pouco menos de uma semana depois, carbonizado, dentro de um carro, em um terreno baldio na Comunidade de Balança, em Itaoca, ainda dentro do Complexo do Salgueiro. A própria mãe do criminoso indicou a policiais de DH de Niterói o local.



Meses depois, em 26 de novembro, 3N foi morto em confronto com policiais militares e agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil, em Itaboraí. A troca de tiros aconteceu na localidade de Vila Verde. O criminoso morreu ao enfrentar os agentes, que realizaram operação no local após descobrir o esconderijo do traficante. Outros cinco comparsas também morreram durante o tiroteio com os agentes.



Cabe ressaltar que todos eram, ou foram durante algum tempo, subordinados a Rabicó, que é o “cérebro” do Comando Vermelho, na cidade de São Gonçalo. Rabicó foi condenado a 27 anos e três meses de prisão. Em 2019, foi solto por decisão do Supremo Tribunal Federal. O ministro Marco Aurélio Mello concedeu uma liminar permitindo que o criminoso pudesse aguardar em liberdade o julgamento do recurso do último processo que o mantinha preso.



POLÍTICA