top of page

Joca Nepomuceno, por Fábio Rodrigo


Sede da Câmara/Foto: Divulgação
Sede da Câmara/Foto: Divulgação

Joca Nepomuceno só precisou de 400 votos para ser o vereador mais votado em Igaraçu do Mato. Com isso, tornou-se o primeiro analfabeto a vencer uma eleição no município. Aos 58 anos, o mais novo representante do povo realiza o sonho de exercer um cargo de confiança na cidade em que nasceu. Logo que saiu o resultado, Joca fez um discurso emocionado aos seus eleitores no alto do palanque montado na praça central do município. Ele agradeceu muito o empenho de seus colaboradores e prometeu cumprir à altura o dever que lhe foi confiado.


No dia seguinte à eleição, Joca foi, como de costume, ao boteco do seu Zé Maria para tomar uma cachaça e comemorar a vitória no pleito eleitoral. Ali, tirou sarro com apoiadores de outros candidatos e, com seu jeito bonachão e irreverente, abraçou cada um dos que estavam presentes. Ao ser questionado acerca da ausência de um agradecimento por escrito nas mídias locais, Joca de forma humorada disse que prefere agradecer “bocalmente”.


Tão logo foi empossado na câmara dos vereadores, Joca anunciou que seu gabinete de trabalho seria bem simples: uma mesa e dois bancos de madeira bem nos fundos de seu quintal. Lá, tomando uma cervejinha bem gelada, ele ouvia atentamente os moradores do bairro. E tentava com boas intenções resolver os problemas de todos que lá chegavam. Com seu grande coração, autorizava pedidos dos mais diversos a serem despachados por seus assessores na prefeitura.


Em pouco tempo, surgiram denúncias contra Joca Nepomuceno. Segundo os representantes da justiça, os encaminhamentos de Joca contrariam o dever público, o que levaria a uma investigação de atos ilícitos durante o seu mandato. Após toda a apuração dos supostos crimes cometidos, foi destituído da função de vereador. Ao ser comunicado de seu afastamento, Joca foi para o boteco do seu Zé Maria e, sem saber explicar os motivos que o levaram a deixar o cargo, tomou uma cachaça com seus amigos para afogar as mágoas.

Fábio Rodrigo Gomes da Costa é professor e mestre em Estudos Linguísticos.





POLÍTICA