top of page

Maricá debate o mercado de trabalho para pessoas trans

Encontro faz parte das comemorações do mês da Visibilidade Trans com eventos programados na cidade até domingo (29)


Foto: Clarildo Menezes/Divulgação
Foto: Clarildo Menezes/Divulgação

A Prefeitura de Maricá informou por meio da Secretaria de Participação Popular, Direitos Humanos e Mulher, sobre a realização nesta terça (24) de reunião com o Conselho Municipal LGBTQIA+ de Maricá para discutir e propor ações de expansão do mercado de trabalho para pessoas trans. Encontro faz parte das ações do mês da Visibilidade Trans, que terá uma série de atrações na cidade até domingo (29/01).

Na reunião, foram debatidos o enfrentamento do preconceito que impede o acesso a oportunidades e a baixa oferta de vagas. O coordenador municipal LGBTQIA+ de Maricá e do Fórum LGBTQIA+, Carlos Alves, explicou que é preciso debater e implementar políticas igualitárias para pessoas trans.

“Muitas pessoas trans possuem qualificação, mas têm dificuldades de acesso a oportunidades de trabalho em todo o país. Por isso, precisamos pensar em políticas públicas diferenciadas para essas pessoas. Estamos dialogando para que tenhamos pessoas trans ocupando todos os postos de trabalho”, explicou.



A advogada Maria Eduarda Aguiar relata que para uma pessoa trans entrar no mercado de trabalho há um longo caminho a ser percorrido. “Nos anos 80 e 90, essas pessoas lutavam pela sobrevivência. Hoje, essa realidade mudou, mas temos uma grande parte da população com dificuldades de inserção no mercado. Estudos apontam que mais de 40% da população trans não tem emprego formal, o que mostra que precisamos pensar em ações, como cursos e oficinas de capacitação com encaminhamento para trabalho em negociação com empresas”, ressaltou.

O superintendente estadual de Políticas LGBT e coordenador do Programa Rio Sem LGBTIfobia, Ernane Alexandre, também falou sobre a necessidade de combate ao preconceito, ao desemprego e a discriminação. “Temos que trabalhar as pautas das pessoas trans durante todo o ano. Saúde, educação, empregabilidade para essas pessoas precisam ser debatidos sempre. O Brasil é o país que mais violenta e mata pessoas trans no mundo e isso precisa ser revisto. Precisamos lutar contra o preconceito e a transfobia”, finalizou.



Mês da Visibilidade Trans - Para marcar o mês da Visibilidade Trans, comemorado no dia 29/01, a Prefeitura de Maricá preparou uma programação com eventos durante toda a semana. Na sexta (27/01), às 18h, o filme Indianara, dos diretores Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa, será lançado no Cine Henfil.


No sábado (28/01), das 10h às 13h, acontece o encontro do Movimento Negro Unificado de Maricá na Casa dos Conselhos, que fica na Rua José Custódio Soares, n° 175, no bairro Boa Vista. No domingo (29/01), às 16h, será realizado um ato pelo Dia da Visibilidade Trans na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.