top of page

Pérolas aos porcos - por Erick Bernardes


Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Poderia se transformar em objeto de estudo o fato dos caranguejos uçás terem desaparecido dos mangues de Itaoca, e suas respectivas causas e implicações virem a constituir interessante assunto de pesquisa acerca do bioma fluminense. Os uçás sempre foram meio de sobrevivência para os habitantes catadores da ilha. Mas por qual motivo em Itaoca não se encontram mais com facilidade esses crustáceos símbolos da vida nos mangues gonçalenses?



Não será equivocado admitir haver certa resiliência e capacidade de adaptação dos caranguejos ao sedimento poluído e à cata predatória há décadas praticada no município. Sabemos disso, caranguejos são fortes e adaptáveis, no entanto, mesmo sendo sobremaneira resistentes, esses animais praticamente desapareceram do mangue itaoquense. Concernente a isso, uma possível explicação surgiu quando assisti à palestra on-line do professor Fernando Neves Pinto ministrada no canal digital do Youtube do professor Fábio Araújo. Exato, assisti à apresentação apaixonada do biólogo cujas explanações me fizeram escrever sobre o caso.



Em meio a tantas informações sobre o ecossistema local, a fala acerca da poluição da ilha apresentou um dado curioso: a presença massiva de porcos abandonados e perambulando pelos arredores de Itaoca. Segundo o palestrante Fernando:


— Basta um pouco de paciência para se deparar com porcos chafurdando a lama do mangue, creio que os uçás são devorados por esses animais, daí a atual escassez do que já foi um dia “ganha-pão” dos moradores de lá.



Incrível essa percepção, será que alguém já pesquisou a “infestação” de porcos abandonados numa ilha fluminense e o risco de extinção dos caranguejos em função desse caso incomum? Não sei, confesso que não sei. Ao estudioso do assunto, eis a possibilidade. Conforme a fala do pesquisador:


— Os crustáceos arborícolas, como o Aratus pisonii, vulgo caranguejo marinheiro, por exemplo, esses escapam do predadores terrestres se deslocando para o alto da vegetação do manguezal, mas os uçás são mais vulneráveis, pois habitam sedimentos do mangue. Daí talvez serem devorados, não sei ao certo, apenas uma percepção de estudioso.



Interessante, bastante curioso o assunto, principalmente quando se tem ciência de que esses suínos talvez sejam resultantes dos mesmos animais que outrora fuçavam o chorume do antigo lixão de Itaoca, depósito de desejos posteriormente transformado em aterro sanitário e atualmente extinto.


Sou leigo do assunto, mas palpiteiro assumido, por esse motivo acredito que os tais porcos abandonados tenham virado “pragas” e estejam em vias de eliminar os caranguejos uçás da Ilha de Itaoca. Fica aí a dica aos especialistas.


Assista à palestra sobre o assunto: https://youtu.be/7u_cqdnXmwM



Erick Bernardes é escritor e professor mestre em Estudos Literários.




POLÍTICA

KOTIDIANO