top of page

País se mobiliza contra caixas de som nas praias

O movimento “anticaixinha” ganhou força no Sudeste e Sul, resultando em apreensões e multas

Praia do Rio de Janeiro. Foto: O Globo
Praia do Rio de Janeiro. Foto: O Globo


DCM - As caixinhas de som, populares entre banhistas por sua portabilidade e potência, estão gerando controvérsias nas praias brasileiras. O incômodo causado a quem não deseja ouvir a música alheia levou a uma crescente proibição do dispositivo em várias cidades costeiras.


Desde 2018, pelo menos 23 cidades em dez estados proibiram as caixinhas de som, mas mutirões de apreensão mostram que a proibição muitas vezes não é respeitada. O movimento “anticaixinha” ganhou força no Sudeste e Sul, resultando em apreensões e multas.


No Guarujá, litoral paulista, fiscais retiraram 38 caixinhas desde o início de 2024, com multas de mais de R$ 1 mil. Em Marataízes, litoral Sul do Espírito Santo, a Guarda Municipal apreendeu 19 caixinhas apenas na primeira semana de 2024.



No Rio de Janeiro, onde a restrição começou em janeiro de 2022, 48 equipamentos foram recolhidos em 2023, com multas variando entre R$ 522 e R$ 5.221. Defensores da medida buscam estendê-la a outras fontes de som, como quiosques.


Apesar das críticas, a proibição é vista como uma forma de promover uma convivência mais harmônica nas praias. No entanto, há resistência por parte de frequentadores acostumados à música na areia, que argumentam a falta de bom senso na aplicação das regras.


Alguns defendem que a medida deve incluir não apenas banhistas, mas também estabelecimentos e quiosques na orla. Em alguns locais, o movimento anticaixinha tem encontrado resistência e projetos de lei foram arquivados, alegando inconstitucionalidade e falta de critérios bem definidos.


O antropólogo social Bernardo Conde expressa preocupação com a proibição, associando-a ao individualismo predominante entre frequentadores de maior renda, o que pode resultar na redução da interação social no espaço público.


“As camadas mais ricas tendem a caminhar mais para esse modelo individualista, enquanto as de menor renda, periferias e as zonas rurais ainda são muito marcadas pelas relações pessoais e pela proximidade, onde as coisas são negociadas sem o intermédio de tantas regras”, disse Conde. “Há uma tendência de desaparecimento das caixas de som porque, à medida que a gente constrói uma sociedade mais regrada, em que os espaços vão sendo respeitados, essas ferramentas vão sumindo gradativamente”.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

POLÍTICA