top of page

PF indicia Zé Trovão e Sérgio Reis por baderna golpista no 7/9

Os envolvidos, apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), foram acusados de incitar a obstrução de vias e pressionar pelo impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF)



A Polícia Federal (PF) indiciou o deputado federal Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão (PL-SC), e o cantor Sérgio Reis por organizarem atos antidemocráticos no 7 de setembro de 2021. Além deles, outras 11 pessoas também foram indiciadas, conforme informações do colunista Aguirre Talento, do UOL.


Os envolvidos, apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), foram acusados de incitar a obstrução de vias e pressionar pelo impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).


Após concluir o inquérito, a PF indiciou Zé Trovão, Sérgio Reis e os demais pelos crimes de incitação ao crime, cuja pena varia de três a seis meses de detenção, associação criminosa, com reclusão de um a três anos, e tentativa de impedir o livre exercício dos Poderes.

Para o último crime, a PF aplicou a antiga Lei de Segurança Nacional, vigente na época dos fatos, que prevê pena de dois a seis anos de prisão.



Entre os indiciados estão também Antônio Galvan, ex-presidente da Aprosoja (Associação Brasileira dos Produtores de Soja e Milho), e o jornalista bolsonarista Oswaldo Eustáquio, ambos acusados de incitação ao crime e associação criminosa.


Vale destacar que a investigação foi iniciada em 2021 a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que identificou convocações para manifestações antidemocráticas nas redes sociais no 7 de setembro.


Zé Trovão foi alvo de um mandado de prisão na época e ficou foragido por um mês. Em 2022, foi eleito deputado federal e atualmente usa tornozeleira eletrônica.

Além disso, a PF concluiu que os investigados se organizaram para realizar atos contra o Estado democrático. O inquérito foi enviado ao procurador-geral da República, Paulo Gonet, que decidirá se apresentará denúncia contra os acusados.


Nos siga no BlueSky AQUI.

Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

POLÍTICA