top of page

PF prende bolsoterroristas que incendiaram Brasília

Por Helcio Albano

Átila Reginaldo Franco de Melo. Foto: Reprodução
Átila Reginaldo Franco de Melo. Foto: Reprodução

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta (28) a Operação Nero com o objetivo de levar ao xilindró bolsonaristas que participaram da noite de terror de 12 de dezembro em Brasília. As ordens de busca, apreensão e prisão dos terroristas abrangem diversos estados do país além do DF.


Nero, pra quem não sabe, é aquele imperador que botou fogo em Roma pra jogar a culpa nos seus inimigos e ampliar seu poder. Foi descoberto e se deu mal.


Até a manhã desta quinta (29) duas pessoas já tinham sido presas. Entre elas, Átila Reginaldo Mello, que 'rodou' em São Gonçalo (RJ). Átila, segundo informações preliminares, seria funcionário da Prefeitura governada por capitão Nelson (PL).



Mas a pergunta que não quer calar é: quem banca nosso patriotário papa-goiaba e toda a súcia golpista na capital federal, um dos lugares mai caros do Brasil?


Investigações de jornalistas independentes, como Alceu Castilho e o site DCM, mostram o caminho das pedras utilizando-se de uma coisa básica - e infalível - do jornalismo: o "following the money". E seguindo o dinheiro, sabe-se que grande parte do financiamento pra manter de pé os acampamentos vem de empresas ligadas ao agro, como escancarado no comprometedor depoimento do 'Coringa Tabajara' George Washington, o terrorista do aeroporto.


Prender os incendiários retira de circulação gente perigosa que já mostrou do que é capaz. Mas esse pesadelo só acaba dando nomes aos bois e botando em cana quem apoia e financia o bolsoterrorismo.


***

Baixe de graça o livro Reflexões de proa do jornalista Helcio Albano.


HA_REFLEXÕES_ebook
.pdf
Fazer download de PDF • 1.35MB

Siga @helcioalbano

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

Helcio Albano é jornalista e editor-chefe do Jornal Daki.


POLÍTICA