top of page

Pinguins são resgatados em Maricá

Os animais foram encontrados pelos guarda-vidas de Ponta Negra e Itaipuaçu nesta segunda (7)


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O primeiro caso aconteceu na altura da Rua 148 em Ponta Negra. Moradores acionaram a Defesa Civil pelo Centro Operacional (COP) e contaram que um pinguim havia sido jogado do mar. Dois profissionais seguiram para o local e encontraram o pinguim aparentemente bem debilitado.

O segundo caso foi na altura da Rua 60 em Itaipuaçu. O pinguim com características de um espécime adulto, estava aparentemente em boas condições, apesar de bem cansado.

Em ambos os casos, os animais foram levados para os postos de guarda-vidas mais próximos. Os profissionais do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos foram acionados.



Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP – BS) tem como objetivo avaliar a interferência das atividades de produção e escoamento de petróleo realizadas na Bacia de Santos sobre aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias e do atendimento veterinário a animais vivos e mortos. Durante o monitoramento, todos os animais encontrados vivos pelas equipes de campo são avaliados e, caso precisem de atendimento veterinário, encaminhados a uma das 14 instalações da Rede de Atendimento Veterinário entre Araruama (RJ) e Laguna (SC).

Após o tratamento, os animais são novamente avaliados e, caso estejam aptos, devolvidos a seu habitat natural. Todos recebem uma identificação, pois assim será possível realizar um acompanhamento, caso reapareçam em outra região. No caso de animais encontrados mortos é realizada a necropsia para identificar a causa da morte e avaliar se houve interação com atividades humanas, tais como pesca, embarcações e óleo.

Se o banhista encontrar algum animal mamífero encalhado, na ausência do guarda-vidas, pode acionar os profissionais que atuam no programa e monitoramento de praias pelo número: 0800 999 5151.


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso canal do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA