top of page

PMs presos por integrar esquema de contravenção têm prisão revogada

Operação do MPRJ revelou o recebimento de propina por parte de batalhões e de policiais


Tribunal de Justiça do Rio - Foto: Divulgação/TJRJ
Tribunal de Justiça do Rio - Foto: Divulgação/TJRJ

O Tribunal de Justiça do Rio, através da 1ª Vara Criminal Especializada, revogou a prisão preventiva de três policiais na última segunda (3). Os militares foram presos durante uma operação do MPRJ em novembro de 2022, que revelou o recebimento de propina por parte de batalhões e de policiais.

Os policiais Alexandre Ribeiro da Silva, Marco Aurélio da Costa Scalercio e Rodrigo Cardoso da Silva foram beneficiados com a soltura, porém, terão que cumprir medidas cautelares, incluindo o uso de tornozeleira eletrônica. Rui Pedro Maia de Souza, Carlos Roberto Nassar e José Carlos de Jesus Ennes também pediram a revogação, mas tiveram os pedidos negados.


As medidas cautelares impostas ainda incluem: proibição de ausentar-se da comarca por mais de 24 horas sem prévia autorização judicial; recolhimento domiciliar durante o período das 20h até às 6h, incluindo finais de semana e feriados; e proibição de manter contato com outros réus e testemunhas, conforme estabelecido na decisão judicial.



Operação Fim da Linha


O principal objetivo da ação era prender Bernardo Bello, apontado como um dos chefes da contravenção. Os agentes cumpriram 10 dos 26 mandados de prisão. No entanto, Bello não foi encontrado e segue foragido. A investigação foi instaurada para apurar, inicialmente, crimes praticados por contraventores que exploram jogos de azar, após notícia crime sobre um bingo clandestino que funcionaria em Copacabana com a permissão de policiais militares.


Essas organizações, para viabilizar, potencializar e assegurar as vantagens financeiras, utilizavam de diferentes modos de fraudar os resultados dos jogos, corrompiam agentes públicos e valiam-se de violência para a conquista de território. O Gaeco identificou, ainda, a prática de corrupção sistêmica de Batalhões da Polícia Militar.


*Com informações O Dia


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.





POLÍTICA

KOTIDIANO