top of page

“Polícia precisa saber diferenciar bandido de pobre”, diz Lula sobre morte de menino no Rio

As críticas ocorrem dias após operações da corporação e uma série de mortes atribuídas aos agentes


 Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou a atuação da Polícia Militar do Rio de Janeiro durante evento ao lado do governador Cláudio Castro (PL).


As críticas ocorrem dias após operações da corporação e uma série de mortes atribuídas aos agentes. Lula cobrou a polícia para que saiba “diferenciar o que é um bandido e o que é um pobre que anda na rua”.


“O povo preto, pobre, da periferia, que precisa ser tratado com respeito. Para que nunca aconteça o que aconteceu com um menino de 16 anos, que foi assassinado por um policial despreparado ou irresponsável”, afirmou o presidente.


“A gente não pode culpar a polícia, mas temos que dizer que um cidadão que atira num menino que já estava caído não estava preparado do ponto de vista psicológico para ser policial”, declarou, referindo-se ao menino Thiago Flausino, de 13 anos, morto no último domingo (6), na Cidade de Deus, baleado enquanto passeava de moto.


Segundo os familiares do garoto, o tiro partiu de um policial militar do Batalhão de Choque. Os parentes afirmam que o PM também disparou contra o jovem quando ele já estava deitado ferido no chão. O caso é investigado pela Divisão de Homicídios e pela PM.



Lula destacou que não responsabiliza Castro e disse que quer contribuir na melhoria da formação de policiais. “Precisamos criar condições, governador. E o presidente da República quer ter responsabilidade com você. Nós precisamos criar condições da polícia ser eficaz, pronta para combater o crime”, afirmou.


“Essa polícia precisa saber diferenciar o que é um bandido e o que é um pobre que anda na rua. E para isso precisa estar ser bem formada. Não estou jogando culpa a nenhum governador. O governo federal tem que assumir responsabilidade a ajudar os governadores a combater a violência, porque o crime organizado está tomando conta do país.”


O presidente participou de cerimônia para anunciar a parceria de R$ 2,6 milhões entre o governo federal e a prefeitura do Rio de Janeiro. Os recursos serão usados para a compra de quase 700 ônibus, a requalificação do corredor de ônibus Transoeste e a construção de terminais e garagens públicos.


O dinheiro também será usado para a construção de um anel viário em Campo Grande, na zona oeste da cidade, investimento de cerca de R$ 1 bilhão.


*Com informações DCM


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA