“Por que não temos um espetáculo como este na nossa cidade?”


Guilherme, 14, parou na banca de jornal na Avenida Afonso Salles, no Apolo II, em Itaboraí e olhou as páginas coloridas que traziam a notícia de um espetáculo teatral que estaria em cartaz na cidade vizinha, e logo ficou com o coração cheio de entusiasmo e esperança. Mas em seguida a euforia se foi e o pequeno sem ainda entender, perguntou, “Por que não temos um espetáculo como este na nossa cidade?” Tentei explicar. Desde que chegou ao Brasil no século XVI com intuito de catequizar o índio e propagar a fé religiosa o teatro seduziu e emocionou.