Buscar

Konder que amava Panisset, que amava Graça, que amava Flordelis, que amava Nanci, que amava Picciani



Política é o lugar onde ocorre tudo, ou quase tudo. Inimigos fidalgos compõem chapas inimagináveis para disputar uma eleição e amigos de infância viram adversários ferozes da noite par o dia. Se o cidadão comum usar a sua lógica da vida cotidiana para analisar e entender a política real, quebra a cara.

Aqui em São Gonçalo todo mundo sabe que Adolfo Konder é uma criação 'forçação-de-barra' da ex-prefeita Aparecida Panisset, que por sua vez é inimiga feroz da ex-deputada Graça Mattos, e que um dia já foram de tomar chá e comer brioches uma na casa da outra. Agora Graça pega o pupilo da ex-prefeita pelas mãos e o conduz à cabeça de chapa para disputar mais uma eleição a prefeito pelo DEM, seu partido e ideologia de origem. Há quem diga que o rapaz das Laranjeiras é ruim de voto.

A missionária evangélica Flordelis, que já havia lançado um dos seus 55 filhos para a política - sem muito sucesso, aliás, haja vista que o rapaz conseguiu apenas uma suplência de vereador em 2012 - resolve ela mesma se jogar de corpo e alma no reino da amoralidade. Começou dentro do script, zanzando por diversos partidos até ser recebida pelo insuspeito PMDB de Jorge Picciani, o todo poderoso de origem italiana.

Flordelis emprestaria o seu look brega&chic, além da popularidade gospel, à candidatura do deputado bonachão Zé Luiz Nanci, que acreditou receber a donzela (PMDB, pausa par rir) no altar das eleições em Gonça City. No dia do casamento, ou melhor, das convenções, onde seria sacramentado o matrimônio mais esperado da quebrada, a noiva não sobe ao altar e se casa com outro, o Konder, numa capela pagã ao lado, no mesmo Clube Tamoio, no mesmo horário.

Flordelis viria como prefeita e Konder, vice. Tudo aconteceu como se A Família Soprano, seriado norteamericano, fosse produzido pela Televisa, do México.

Depois de ouvir os consigliere cariocas, Picciani ordena à famiglia dar ao seu afilhado, Adolfo Konder, a cabeça de chapa em São Gonçalo, e então inverter o que fora anunciado de modo espetacular à imprensa. Política não é para amadores, e caberá à Flordelis o papel de animar o auditório. "Com ele na linha de frente vou poder ficar mais solta", justificou a missionária carioca, moradora de Niterói.

Não se sabe exatamente o que se passa na cabeça de um noivo abandonado no altar. Mas o trauma costuma ser grande e os porres homéricos.


Nota: título inspirado em 'Quadrilha", de Carlos Drummond de Andrade e em canção de Chico Buarque.

#POLÍTICA #SÃOGONÇALO

MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon