Buscar

Por que Moro derrapa tanto no 'portuga'?



O ambiente livre de monitoramentos

Por Madrasta do Texto Ruim

“Ain, o Moro fala errado! Alá ele comendo plural!”

Mais uma vez, vocês não percebem o principal.

O português falado brasileiro come plural. Lidem com isso. Do Oiapoque ao Chuí, existe um padrão de “degustação” de plural. É marcar o plural na primeira palavra do sintagma:

- as casa - os poste - dois pastel

Os falantes do português brasileiro fazem isso, com maior ou menor intensidade, independente de escolaridade, sexo, cor, raça ou classe social.

Apontar o “erro” do Moro é concordar com aquele idiota que diz que o Lula “fala errado”.

“Ain, mas se ele é estudado, não devia falar assim”.

De novo vcs deixaram escapar o principal:

1) quem é estudado não sugere PEC pra cláusula pétrea.

2) No depoimento do Lula, Moro não cometeu esses “erros de concordância”. Vcs repararam? Então, por que ele “errou” tanto no Roda Viva?

Por um motivo simples. Quanto mais “em casa” a gente estiver, mais relaxados ficamos pra falar.

Moro estava relaxado. Em casa. No que linguistas chamam de “ambiente livre de monitoramento”. <— expressão que, no jornalismo, adquire outro significado.

[EDIT: ”colheita” de provas é imperdoável sob qualquer aspecto. Pootaquepareeoo.]

No mais, se o Moro chama o Lula de “Nine”, a partir de agora eu vou chamá-lo de “juiz singular”. Porque, antes de ser linguista, eu sou humana.

Publicado originalmente no Jornal GGN.


Gostou? Curta a página Daki no facebook aqui e fique bem informado.


#DAKIEDELÁ #SERGIOMORO

MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon