São Gonçalo como 'superfavela' precisa fazer sentido para quem a ocupa, por Fabiano Barreto