Buscar

O Recife, por Fábio Rodrigo


Ao passar em frente à prefeitura do Recife, isso mesmo: do Recife, fiquei encucado com a presença do artigo definido antes do nome da cidade. Foi a primeira coisa que observei ao chegar a esta linda cidade do Nordeste brasileiro, considerada inclusive a capital do Nordeste. Pensei que a primeira coisa a observar fosse o sotaque, a simpatia, a culinária ou, até mesmo, a mania de grandeza do povo recifense. É um povo que tem suas extravagâncias, como qualquer outro povo. Algumas inclusive são bizarras. Falam que seu shopping é o maior do Brasil, que uma de suas avenidas é a maior da América Latina. Chegam ao ponto de idolatrar o próprio invasor, pois há uma estátua de Maurício de Nassau na principal praça de Recife.


Mas, voltando ao artigo definido, sabemos que ele não é usado antes de cidades. Porém, há exceções. O Rio de janeiro, por exemplo. Segundo os gramáticos, modernamente se dispensa o artigo antes de Recife, mas os recifenses fazem questão da presença do artigo. Não é em Recife e sim no Recife. Não é de Recife e sim do Recife. O próprio Manuel Bandeira, grande poeta e apaixonado pela terrinha, ao escrever um poema sobre suas recordações de infância, intitulou-o de Evocação do Recife.

O recifense quando ouve o sotaque de quem é do Rio fica encantado, mas quando nos ouve dizendo Recife sem o artigo definido deve sentir uma grande vontade de nos fuzilar, imagino eu. Acredito que Recife, ou melhor, o Recife diz muito sobre o que é o povo recifense. Um povo que enaltece sua própria cultura, que valoriza seus hábitos e costumes. Um povo que tem orgulho de dizer que tem um dos maiores museus do mundo: o Instituto Ricardo Brennam. Diga-se de passagem, é pra se orgulhar mesmo. Esse povo, além de amar sua cidade, conhece suas mazelas, como a palma de sua mão.

Posso dizer que o que tinha de conhecimento de Recife era muito pouco diante de sua grandeza, ou melhor, diante do Recife. Aliás sabia nada de Recife. Agora sim conheci um pouco do Recife. E estou maravilhado. O que dizer de Recife em comparação ao que conheci do Recife? Não são a mesma coisa. Recife será sempre um lugar perdido na minha imaginação. Porém o Recife, a cidade que conheci e que o povo nativo a conhece muito bem, estará sempre guardado em minha memória.


Fábio Rodrigo G. da Costa é mestre em Estudos Linguísticos.

#ARTIGOS #CRÔNICAS #FÁBIORODRIGO #RECIFE

MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon