Buscar

O mundo dos 'anti'´, por Fábio Rodrigo



‒ Você é anti! – assim me disse alguém que discorda da minha opinião. E não quis saber mais de conversar.

Apesar da hostilidade demonstrada pelo meu interlocutor, confesso que fiquei feliz ao ser chamado de anti. O que o desagradou foi que expressei opinião contrária a dele enquanto conversávamos sobre política. Ser anti é simplesmente pensar diferente. Dentro da questão política, é não aceitar ser representado por alguém que não nos representa, é não aceitar como norma ideias conservadoras, é não aceitar o normal como correto, é não aceitar o status quo. Enfim, sou anti. Mas não no sentido de se opor a toda forma de domínio, pelo simples fato de se opor. Não é isso. Sou anti, pois entendo que em uma sociedade deve haver avanços, mudanças, principalmente no campo das reformas sociais.

A frase proferida pelo meu interlocutor me fez pensar no meu papel na sociedade. Se sou anti, é porque demonstro minhas ideias. Caso contrário, estaríamos conversando até hoje. Aliás, depois deste dia, ele nunca mais conversou comigo. Ser anti incomoda muita gente. Ser anti tem destas coisas. Você fica aprisionado em um mundo anti, conversando com pessoas anti. Pois o discurso dominante nunca será anti. É uma sensação gostosa de estar do outro lado. O lado dos que têm senso crítico. Infelizmente não é desta forma que nos veem. Para eles, os não anti, nós somos imcompreensíveis ou uns chatos.

Ser anti foge da esfera política e avança também pro futebol. Ser anti é ter total identificação com o time de coração e jamais torcer a favor do rival. Jamais! Ser anti é dizer a que veio. É um sentimento de estar no mundo. É se posicionar, seja com o escudo do time, seja com sua bandeira política, seja com sua crença... Ou também fugir de qualquer rótulo, de qualquer ideologia, e não levantar bandeira nenhuma.

Anti, como qualquer outro prefixoide, apresenta considerável independência lexical. Podemos formar várias palavras com anti, mas não é preciso. Anti já diz tudo o que tenho pra falar. Não precisa estar agrupada a uma palavra para existir. Pra que dizer que sou anti isto ou anti aquilo? Basta dizer que sou anti. Já me identifica, já mostra que tenho identidade. Se sou anti é porque tenho voz. E exerço minha criticidade. Caro leitor, se alguém o chamar de anti, não se importe com isso. Significa que alguém o ouviu neste mundo que não tolera quem é anti.


Fábio Rodrigo Gomes da Costa é professor e mestre em Estudos Linguísticos.

#ARTIGOS #CRÔNICAS #FÁBIORODRIGO #ANTI

MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon