Buscar

Saúde Mental e Redução de Danos é tema de evento na FFP-UERJ


A semana da Luta Antimanicomial vai até o dia 21 com debates, intervenções e ocupação de espaços na cidade


No terceiro dia da Semana da Luta Antimanicomial, o Programa de Saúde Mental, da Secretaria Municipal de Saúde, promoveu diversas atividades como forma de conscientização da população sobre o trabalho da rede psicossocial, a luta dos direitos das pessoas com sofrimento psíquico e a defesa do cuidado e liberdade desse grupo. Nesta quinta-feira (16), na UERJ-FFP, houve um evento sobre Saúde Mental, Drogas e Redução de Danos, com o objetivo de apresentar aos universitários e demais interessados pelo tema os serviços disponibilizados no município pelo programa e como lidar com as questões de saúde mental no cotidiano.

A coordenadora do programa, Kassia Kapela, explicou o motivo da ação e de onde surgiu a ideia. “O evento de hoje é uma parceria do Programa de Saúde Mental com o centro acadêmico de biologia da UERJ, que coincidentemente, montaram uma semana de biologia com o tema de Saúde Mental e Mentes Abertas. Na mesa discutimos as diretrizes do tema de saúde mental, drogas e redução de danos. Além de apresentar os serviços da rede de saúde mental, uma vez que o campus da UERJ não tem psicólogo, o que os universitários têm demandado bastante para ter suporte psicológico no ambiente acadêmico, devido as rotinas universitárias, ainda mais no momento em que estamos vivendo de caos na sociedade. Então, a ideia é apresentar o programa a eles e produzir um acesso à rede de saúde mental, pois muitos desconheciam que existem serviços específicos até para questões graves”, afirma.


O evento teve como tema “Saúde Mental e Mentes Abertas” e contou com a participação de 50 pessoas dentre estudantes e ouvintes. Após, ocorreu um mini curso sobre redução de danos de maneira que contribuísse para a formação discente de maneira mais interativa e dinâmica.

- A ideia do curso foi uma articulação intersetorial sobre a saúde mental emostrar nossa rede do SUS para eles e falar um pouco do trabalho de redução de danos no Centros de Atenção Psicossocial(CAPS AD) do município. Tudo voltado ao contexto universitário e as consequências abrangentes desse meio - complementa Kassia.

A estudante de Pedagogia da Universidade Federal Fluminense, Rosana Soares, de 24 anos, participou do evento e diz ter sido uma forma de agregar conhecimento nesses tempos conturbados na sociedade.

- Quando soube do evento corri para me inscrever, pois saúde mental é algo que evolve todas as pessoas e de grande importância, ainda mais para mim que estou fazendo o meu trabalho de conclusão de curso e dissertarei sobre esse tema. Não conhecia muito sobre o Dia da Luta Antimanicomial. Aprender sobre os desafios da reforma psiquiátrica, o trabalho de inclusão social dos pacientes e inserção deles na sociedade é essencial para nós estudantes e futuros representantes da sociedade - informa.

A semana da Luta Antimanicomial vai até o dia 21 com debates, intervenções e ocupação de espaços na cidade.Na programação serão expostos questões sobre a cidadania, direitos da saúde, liberdade e atividades culturais visando a divulgação sobre a história dessa luta, um ideal de uma sociedade de inclusão, os serviços de tratamento e formas de atenção para os pacientes que hoje se encontram em tratamento no CAPS do município.

Serviço:

17/05 às 13h – Ato na Cinelândia

18/05 às 9h – 1º Circular da Loucura (Local: Circo Voador)

19/05 às 8h – Mutirão agroflorestal e antimanicomial na hora comunitária de Neves (Local: Rua da Feira livre, ao lado do IFRJ)

21/05 às 13h – XV Fórum Intersetorial para Ações em Saúde Mental, Álcool e outras Drogas (Local: auditório OAB).

#CIDADE #SÃOGONÇALO #SAÚDEMENTAL

MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon