Buscar

'A Solução Final', um conto de Sammis Reachers


Recebi a carta às 12h23.


Almocei um ótimo pad thai, encomendado do restaurante tailandês da esquina. Caro, mas que diferença isso faz?


O programa começou há dois anos, na Holanda. Nos noticiários e meios de informação, foi fragoroso o debate. A aceitação venceu: que havia mais a fazer?


Escrevi vinte e sete mensagens, para filhos, aproximações de amigos, uma mulher a quem cortejava, mais por distração – para ambos.


Claro, era previsível a situação que agora aflorou junto a este encanecido chão do sol nascente. Já desde finais do pregresso, caído século se percebia com algum agravo a diminuição do crescimento vegetativo em muitos países. Alguns procuraram incentivar, até financeiramente, a que seus cidadãos procriassem. Outros tantos viram na imigração a solução paliativa para seu problema estato-existencial.

Por tudo se pagou um preço, e o tempo, as décadas seguintes, provaram que o paliativo era isso: alongamento tecido em pó.


No caso deste país insular, a imigração nunca foi solução que valesse de muito. Tínhamos descendentes da diáspora de nosso povo que vinham em busca de trabalho – mas muitos voltavam para seus países de origem. Brasileiros, norte americanos, filipinos.


A questão foi defendida em livro bombástico, coletivo, por um grupo envolvendo alguns dos maiores filósofos de nosso tempo. Aventadas razões se espraiavam sobre as sociedades em debate, procurando equalizar os descontentes.


Vou até a antiga loja de charutos. É a única de Osaka, e uma das oito ou nove ainda presentes no país, à esta altura. Compro um charuto que sempre cobicei, se é que um fumante esporádico pode ser um cobiçador. Embrulho o artefato, assino o termo de segurança, em que afirmo que não irei consumir o “produto” em locais públicos – crime grave.


Em casa, sorvo o amargor da peça. Ligo o monitor, releio a carta do governo. Há algo de histórico nisso, ao menos – sou um dos 30 primeiros cidadãos do país a receber “A Carta”.

É estranho que um governo convide seus cidadãos para morrer. Em tempos de guerra, era comum. Nosso Império... Mas nesses tempos de paz, de ruína econômica, nesses tempos em que a população economicamente ativa é tão menor que o número de aposentados, foi a saída que a civilização, já em meados do vigésimo primeiro século, encontrou para ajustar as coisas.


O convite, muito formal, principiava agradecendo os serviços prestados à pátria e à sociedade. Avançava, sem estender-se em demasia, dando conta das dificuldades, por todos conhecidas, que o maquinário previdenciário atravessava. Tergiversava sobre sacrifício e honra, essas gêmeas siamesas. Terminava com uma despedida.


Acabei o charuto, de sabor bem pior do que eu há tanto imaginava. Uma metáfora disso tudo. Fui até o novo edifício governamental, erigido especialmente para isso: eutanásia coletiva de idosos e inválidos para a economia.


Nossa cultura é conhecida e construída sobre pilares de honra. Se toda uma sociedade milenar acredita que você deve morrer – até mesmo alguns de seus parentes, pessoas a quem você alimentou – que saída honrosa pode haver senão sujeitar-se em prol do bem comum?


Enquanto me deito na cadeira e aguardo o robô que aplicará a injeção letal, ouço da senhora ao lado, que sorria sem parar enquanto falava, que estávamos salvando nosso país, estávamos salvando a economia do Japão. Era bom que os mais velhos deixassem a vida e o peso estatal representado por suas aposentadorias. Era um sacrifício de “honra”.


Pensar que parte da imprensa, o que restara de humana nela, apelidara tal recurso de Endlösung der Judenfrage, “A Solução Final”, como aplicada por Hitler contra os judeus.


Fechei os olhos, enquanto ela continuava a sorrir e cacarejar. Segundos depois, ainda sem abrir os olhos, pude ouvir os rolamentos do robô deslizando pelo piso impecável. Como um samurai que meu povo desejava que eu fosse, não esbocei reação alguma quando senti a gélida penetração da agulha.


* * *

Nota do autor: O conto acima procura fazer uma antecipação provável e sombria de futuro iminente, onde o neoliberalismo e sua sanha vampiresca, associado à ruína do welfare state, o Estado do bem-estar social, ruína essa ocasionada por décadas de desmandos e ingerências, levará à “solução final” do problema previdenciário global: Estados convidarão seus idosos à morte, ou pior, tomarão à força suas vidas “economicamente” onerosas aos cofres estatais. Esse conto foi ideado há dois anos, e estava no “baú”. Mas há pouco soube que aquilo que ele “antecipa” já está acontecendo: https://observador.pt/2020/02/07/holanda-vai-aprovar-comprimido-letal-para-maiores-de-70-cansados-de-viver/

Alguns livros (gratuitos) que escrevi ou organizei podem ser baixados AQUI.

Um pouco de poesia experimental? Eu experimento AQUI.

Sammis Reachers, nascido por acaso em Niterói mas gonçalense desde sempre, é poeta, escritor e editor, autor de sete livros de poesia e dois de contos, e professor de Geografia no tempo que lhe resta – ou vice-versa.



MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon