Coisas da Pandemia lV: Não é pra qualquer um, por Paulinho Freitas

SÃO GONÇALO DE AFETOS

Reprodução Internet
Reprodução Internet

Nestes tempos sem sair de casa a gente se perdeu um pouco dos amigos. Aqueles papos furados nos botecos ou nas rodas de conversa sábado a tarde regada a cerveja e churrasco nunca mais aconteceram. Também ficamos sem ter para quem contar nossas vantagens, desvantagens, amores, desamores e fofocas diversas. Deixamos também, alguns de nós, de sair pela manhã e só voltar à noite cansados e reclamando da vida. A vida agora virou uma solidão só para muitos.


Teve gente que entrou em depressão, teve gente que descobriu talentos dentro de si que nem imaginava ter. Teve quem se reinventasse saindo do sedentarismo para o Yoga e está feliz da vida.


Encontrei, num desses momentos que não se pode deixar de sair de casa, o meu amigo de infância, o Zacarias, outrora machista e homofóbico, gargalhando alto e com gestos espalhafatosos num supermercado lotado e quando me viu falou alto como se quisesse mostrar o tamanho de sua felicidade:


_ Paulinhooooooo!!!!! Vamos abrir aquela quadra do GRESU Porto da Pedra! Estou louco pra sambar!!!!!


Respondi que só quando Deus afastar essa pandemia de nós é que poderemos nos reunir novamente, mas que espero que seja em breve. Ele me jogou um beijo com as mãos e saiu parecendo o Milton Cunha numa tarde de visita à Cidade do Samba.


Que legal né! Fico feliz quando as pessoas se descobrem e saem espalhando alegria e amor pelo mundo. Tanto traste aí querendo jogar a chave do armário fora. É melhor abrir e ser feliz do que ficar apedrejando quem só quer viver em paz. Xô preconceito!!!!!


Era mesmo dia dos encontros. Numa banca de legumes vejo outro grande amigo, o Waldeck, reclamando do preço e da qualidade do produto. Nunca imaginei ver aquele cara que tinha pavor de mercado e shopping fazendo compras e pechinchando. Quando me aproximei já pra fazer uma brincadeira com ele o cara atacou primeiro:


_Fala Paulinho! Estou aqui apavorado com esse negócio de fazer compras. Essa pandemia veio para fazer provação com a gente! Esse negócio de ser “do lar” não é pra qualquer um não irmão. É uma correria danada! Levanto às seis da manhã, faço o café, acordo a gurizada para assistir as aulas on line, enquanto isso jogo a roupa suja na máquina para lavar, enquanto a máquina bate lavo o quintal que o cachorro cagou e fica um fedor danado, daí já volto pra fazer uma lanche pras crianças porque o tempo corre e já são quase dez da manhã. Penduro a roupa na corda e já começo a preparar o almoço. Enquanto o feijão cozinha e o arroz seca, já dou uma varrida na casa e arrumo os quartos, daí ponho a mesa, as crianças almoçam e vão brincar na sala. Almoço rápido e abro o lep top pra uma reunião de trabalho, quando vejo já são quase quatro horas e nem fiz o lanche da tarde. Meu Deus! Saio rápido da reunião como se a internet tivesse caído e dou o lanche dos guris já iniciando a janta. Recolho a roupa da corda, dou banho nas crianças, termino a janta e minha mulher chega do trabalho cansada e reclamando da vida e mal dizendo as criaturas. Ela toma banho, janta e vai ver TV. Eu lavo a louça, tomo meu banho, fumo um cigarrinho na varanda porque ninguém é de ferro, depois ponho as crianças pra dormir e vou me deitar. Quando chego no quarto encontro a mulher pelada e me olhando com aquela cara de safada.


Aí eu pergunto a ele: Aí vem a hora da recompensa né?

E ele me responde:


_ Falo pra ela o que ela falava pra mim antes da pandemia quando ela trabalhava fora e ainda fazia isso tudo e eu chegava em casa reclamando da vida e ainda queria namorar: “PELO AMOR DE DEUS, ME DEIXA EM PAAAAAAZZZZZZ!” Viro pro canto e vou dormir. Ser mulher irmão não é pra qualquer um. Pelo menos pra mim não.


Depois de me despedir do amigo, saio do mercado pensando nas palavras de minha avó:


_É preciso bater na cangalha para o burro entender.

Paulinho Freitas é compositor, sambista e escritor.





MALUGA_2.jpg
QV1.jpg
Banner_300x250_Homem.gif