Buscar

Curso de capacitação em deficiência visual teve aula inaugural em SG

A ideia é retomar essas formações da área inclusiva para que se possa capacitar os professores da rede

O secretário Marcelo Azeredo participou/Foto:Divulgação

Com o objetivo de capacitar os professores da Rede Municipal e trazer inclusão aos deficientes visuais, a Secretaria Municipal de Educação realizou, nesta quinta-feira (15), a aula inaugural do Curso de Capacitação na Área de Deficiência Visual, no Centro de Referência Municipal de Formação Continuada (Crefcon), no Barro Vermelho. A iniciativa, promovida pela Coordenação de Educação Inclusiva, contou com a participação de todos os inscritos nas duas turmas do curso e do diretor geral do Instituto Benjamin Constant (IBC) para iniciar as aulas com uma palestra especial sobre o tema.


- A inclusão é um segmento que é necessário um olhar diferenciado em todo nosso município, principalmente na educação. A capacitação é um dever que a Educação precisa ter, porque é através delas que desenvolvemos nossos alunos da melhor maneira para o convívio social. Nosso foco na inclusão é algo que enquanto estiver como gestor, criarei maneiras de selecionar, buscar formação e capacitar todos nossos funcionários para estarem cada vez mais preparados para lidar com os alunos, principalmente de forma inclusiva. Até  porque se não observarmos essa parcela da população que possui alguma deficiência, não estaremos a favor da legislação e dos critérios de humanidade e cidadania - declara Marcelo Azeredo, secretário municipal de Educação.

A subsecretária de Educação e Infantil, Tatiana Félix, também explica a ideia do evento e qual o objetivo. “Entendemos que o atendimento aos deficientes precisa ser de qualidade, com base nos quatro pilares da educação: aprender a ser, aprender a conviver, aprender a fazer e aprender a conhecer. A ideia é retomar essas formações da área inclusiva para que se possa capacitar os professores da rede. Talvez fecharemos até mais um horário devido a alta procura. Aqui no Crefcon tem o CMTA, onde ocorre a transcrições de livros, material adaptado e em alto-relevo, por ter especialidade nessa área, nada melhor que realizar aqui na sede esse curso, pois precisamos mobilizar as pessoas a contribuírem com a inclusão na sociedade”, comunica.


Na programação, as aulas serão ministradas pelo professor municipal e especialista em educação inclusiva, Umberto Bethoven, onde serão abordados temas sobre a história da deficiência visual, a criação e escrita do código Braile, como estimular os alunos na área visosensoriomotora e cognitiva, adaptação dos materiais, atividades práticas e outros assuntos. Na aula de hoje, houve uma palestra de abertura com o Dr. João Ricardo Figueiredo, diretor-geral da IBC, que apresentou aos participantes a história e a importância desse tema.


- Falei um pouco da história da educação especial com a pessoa com deficiência de visão e o atendimento da pessoa com visão subnormal, ou seja, aquelas que têm algum resíduo visual. Há dados que mostram que seis milhões de brasileiros possuem algum comprometimento visual, sendo que desses, apenas 500 mil são 100% cegos. Portanto, temos que ter um olhar para a cegueira e aqueles que têm algum potencial visual, tanto na escola quanto no mundo do trabalho para ele não ser tratado na sociedade como um ser humano diferente, porque todos nós somos iguais. Vim mostrar a importância das escolas possuírem condições de favorecer uma inclusão verdadeira e não ficar apenas no discurso. Todas já constam a questão legal que é a matrícula aberta a todos esses deficientes visuais, mas o que importa e ajuda no desenvolvimento daquela pessoa é a capacitação para haver uma inclusão, tanto de professores como de alunos. Incluir é você dar condição ao aluno de frequentar o cotidiano na escola, como aluno e como indivíduo de forma que ele possa se desenvolver plenamente, tanto na parte cognitiva quanto na parte social - explica João Ricardo.

O curso é voltado a todos os professores da Rede Municipal, sejam eles concursados ou contratados, das escolas e creches conveniadas. As inscrições foram divulgadas previamente no Diário Oficial, com uma carga horária de 40 horas presenciais e a disponibilidade de 40 vagas distribuídas nos turnos da manhã (8h às 12h) e tarde (13h às 17), às quintas-feiras na sede da Crefcon, localizado no prédio anexado à Unidade Municipal de Ensino Infantil (Umei) George Savalla Gomes (Palhaço Carequinha), no bairro Barro Vermelho.

MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon