Delegado do caso João Pedro estava na operação que resultou no assassinato do jovem; HC: agora vai?


A notícia do dia, além da prisão do ex-assessor faz-tudo da família Bolsonaro, Fabrício Queiroz, é a revelação de que o delegado titular da Delegacia de Homicídios, Alan Duarte, que investiga o assassinato do adolescente João Pedro, na Praia da luz, estava presente na operação que resultou no crime há exatamente um mês, em 18 de maio (A Tribuna).


O fato foi revelado pelo delegado Sérgio Sahione, que era o titular da Coordenadoria de Recursos e Operações Especiais (Core) da Polícia Civil no momento da operação, feita em conjunto com a Polícia Federal no bairro Itaoca. Duarte, em nenhum momento das investigações que conduz na DH, fez menção ao que disse o delegado.


Em depoimento ao Ministério Público, Sahione disse que há mais de um mês que não consegue dormir, pensando no que poderia ter feito de diferente para evitar a morte do adolescente de 14 anos, e admitiu não ter sido treinado para lidar com essa situação.


O delegado pediu demissão do Core e ficará afastado das investigações para que não haja nenhum tipo de “embaraço (O São Gonçalo).


O caso teve grande repercussão no Brasil e no exterior no contexto #VidasNegrasImportam, e está sendo acompanhado pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Lesgislativa (Alerj) e pelo Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria Pública (Nudeh), que pediu investigação independente ao Ministério Público Estadual, que colheu ontem (17) o depoimento de Sahione (Jornal Daki).


A Defensoria Pública, que assumiu a defesa da família de João Pedro, já contestou declarações feitas pelo delegado Alan Duarte, que justificariam a ação policial na casa dos tios do jovem e os 72 buracos de balas na parede do imóvel (Jornal Daki).


Depois destas revelações, Duarte pode deixar as investigações.


Segundo informações divulgadas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) do Rio, os pacientes de Covid-19 finalmente poderão começar a utilizar as instalações do hospital de campanha unidade ainda hoje. Mas o local ainda passava por obras nesta manhã (O São Gonçalo).


O hospital de campanha de São Gonçalo teve sua inauguração adiada mais de seis vezes. A unidade, que foi montada no Clube Mauá, anteriormente era coordenada pelo Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), que prometeu que o local ficaria pronto pela primeira vez no dia 30 de abril, o que não ocorreu até hoje. 


Finalizando o Rolé, às 14:25 horas de uma tarde ensolarada com temperatura amena, um registro triste: mais uma morte precoce pela Covid-19. O coordenador do SAMU de Niterói, Olavo Cabral, morreu vítima da doença na madrugada desta quinta, depois e duas semans internado (Plantão Enfoco).


Boletim Covid-19 atualizado segundo dados consolidados da Secretaria de Estado de Saúde (SES) do Rio de Janeiro em 17 de junho.







MALUGA_2.jpg
QV1.jpg
Banner_300x250_Homem.gif