Buscar

Moto 'mata-mosquito' atua em São Gonçalo

A Vigilância Ambiental conta ainda com cinco carros fumacê e mais de 600 agentes que realizam todo o trabalho de fiscalização

Motos produzem a própria energia/Foto: Divulgação

Em 2019, o município de São Gonçalo contabilizou 1.234 casos de dengue, o que corresponde a menos da metade dos casos de 2018. Como forma de ampliar o combate ao aedes aegypti, mosquito causador da dengue, zika e chikungunya, em setembro do ano passado a Prefeitura adquiriu 10 motofogs, motos 'mata-mosquitos' adaptadas para a pulverização de inseticidas.

Atuando em diversas regiões da cidade, sobretudo aquelas distantes dos centros urbanos, o Departamento de Vigilância Ambiental, da Secretaria de Saúde, iniciou 2020 ampliando as rotas de ação e até o final deste mês de janeiro alcançará todos os bairros da cidade com os equipamentos. Só nesta semana as equipes passaram pelos bairros Boaçu, Rocha, Jardim Catarina, Colubandê, Capote, Centro, Gradim, Trindade, Porto do Rosa, Guaxindiba e Largo da Ideia. 


As motos possuem um sistema que utiliza o próprio motor para gerar toda energia necessária, são 86% mais econômicas que os carros fumacê e 72% menos poluentes, com manutenção simples, barata e sistema GPS de rastreamento. O objetivo é que as motos circulem nas áreas de maior incidência de infestação dos mosquitos, sobretudo áreas próximas a rios e fora do eixo central da cidade.


De acordo com o último Levantamento de Índice Rápido de Aedes aegypti (Lira), realizado pelo Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental, São Gonçalo aponta um resultado de baixo risco no nível de infestação com larvas do mosquito na cidade.

Dos 92 bairros do município, 65 apresentam um índice satisfatório, de acordo com os indicadores do Ministério da Saúde. O próximo Levantamento será divulgado em fevereiro deste ano. 


O Departamento de Vigilância Ambiental conta ainda com cinco carros fumacê e mais de 600 agentes que realizam todo o trabalho de fiscalização dos espaços, colocação de telas em caixas d`água e eliminação de possíveis focos. Além das equipes de Educação em Saúde que realizam um trabalho educativo e preventivo junto a escolas, associações de moradores, dentre outros espaços na cidade. 


Para solicitar a visita das equipes ou ainda relatar casos de possíveis focos, basta ligar para o número 2604-6446, do Departamento de Vigilância Ambiental.


MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon