Buscar

Na contramão do RJ, SG registra queda nos casos de dengue

Até junho deste ano foram 783 casos contabilizados. Neste mesmo período do ano passado já haviam sido registrados mais de 2 mil casos

Vigilância Ambiental realiza visitas permanentes nas residências/Foto: Divulgação

Na contramão das outras cidades, São Gonçalo registrou uma redução no número de casos de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti. Em 2017, o município contabilizou 1118 casos de chikungunya, 1048 de Zica e 2527 de dengue. Já este ano, até o mês de junho, a Secretaria de Saúde registrou uma queda brusca sobretudo nos casos de dengue, sendo 783 até o momento. Neste mesmo período em 2018 São Gonçalo já havia contabilizado mais de 2 mil casos de dengue. A queda é fruto de um trabalho em rede do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental, que une conscientização e mobilização de toda a população. 


Através de visitas domiciliares, palestras em escolas e associação de moradores, a Vigilância em Saúde Ambiental tem como foco o investimento na educação em saúde e na mobilização de pessoas que sejam multiplicadoras do conhecimento efetivo na eliminação dos criadouros potenciais do mosquito. 


Temos agentes atuando em diversos bairros, principalmente onde identificamos altos índices de infestação. Esse é o reflexo de um trabalho sério e constante, e realizado totalmente em conjunto com a população. Uma só pessoa pode mobilizar muita gente. Nosso objetivo é que a população tenha acesso à informação e com ela, assim como nós, possa se mobilizar pelo bem de toda cidade - Adaly Fortunato, biólogo sanitarista, diretor do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental.

De acordo com o último Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), que corresponde à proporção de imóveis com a presença de larvas, realizado em maio deste ano, São Gonçalo possui um índice de 1,4%. Neste mesmo período em 2018 o índice era de 1,8%. 


Para o Ministério da Saúde, o ideal satisfatório é até 1%. Entre 1 e 3,9 é considerada situação de alerta, e acima de 4% é alto risco. De acordo com o secretário de Saúde, Jefferson Antunes, a eficácia do combate e a constante queda de casos será reflexo de um trabalho conjunto entre o governo e a população. 


- Essa mobilização é de extrema importância para que possamos, juntos com a população, combater o mosquito. Precisamos ir direto ao foco e mobilizar as pessoas para a necessidade de identificar e eliminar os criadouros de mosquitos - enfatiza.



MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon