Niterói assina R$ 4 milhões em contratos de estímulo ao audiovisual

Niterói assina contratos do 2º Edital de Fomento ao Audiovisual contemplando 29 projetos culturais


Foto: Luciana Carneiro
Foto: Luciana Carneiro

A Prefeitura de Niterói está assinando, ao longo desta semana, os contratos do 2º Edital de Fomento ao Audiovisual, iniciativa que contemplou 29 projetos culturais. Principal ação de fomento do Programa Niterói Cidade do Audiovisual, o Edital, que terá investimentos de R$ 4 milhões financiados exclusivamente com recursos da Prefeitura de Niterói, tem como objetivo fortalecer o desenvolvimento de produções audiovisuais na cidade. Dos 29 projetos, 87% serão filmados em Niterói e 81% terão abordagem relacionada à cidade. A expectativa é de geração de mais de 800 empregos em diferentes funções, como diretores, atores, roteiristas, produtores e assistentes.


O prefeito de Niterói, Axel Grael, lembrou que para a retomada econômica da cidade, será muito importante intensificar o apoio, principalmente, às atividades econômicas tradicionais na cidade e investir ainda mais em setores em que a cidade tem vocação, como o audiovisual.


“A Cultura é um dos setores em que a Prefeitura de Niterói vem implementando medidas e programas de apoio para enfrentarmos este período tão desafiador que estamos passando. Entendemos a cultura como instrumento de inclusão, desenvolvimento social e econômico. Justamente por isso é tão importante que os projetos selecionados estejam distribuídos por todo o território de Niterói”, enfatizou o prefeito.


Com a assinatura dos contratos, filmes curta metragem, mostras e festivais, cineclube, pesquisa e jogos eletrônicos terão até 12 meses para entregar as produções. Já os telefilmes e obras seriadas e não seriadas de longa-metragem de ficção e documentários terão até 24 meses para entrega das produções e obra seriada e não seriada de longa-metragem de animação serão 36 meses. Com modelo, linhas e valores estipulados a partir de um diálogo com representantes do setor audiovisual niteroiense, o Edital contemplou 29 projetos, sendo 16 de produção audiovisual (longas-metragens, curtas-metragens, TV); 3 de pesquisa no campo audiovisual; 3 de inovação no campo audiovisual (jogos eletrônicos); e 8 de difusão no campo audiovisual (cineclubes, projeções em espaços urbanos, mostras e festivais).


Os festivais e mostras vão acontecer em bairros como Barreto, Boa Viagem, Centro, Icaraí, Jurujuba, Engenhoca, Grota (São Francisco) e Ingá. Os cineclubes serão promovidos em espaços urbanos em locais como Boa Viagem, Centro, Fonseca, Engenho do Mato, Ititioca, Jurujuba, Preventório, Pendotiba e Piratininga. Um dos jogos eletrônicos contemplados é premiado pelo Google como os melhores jogos casuais de 2018 e vai ganhar uma versão niteroiense.


O secretário municipal das Culturas, Leonardo Giordano, explicou que 60% do investimento total será destinado a pagamento de pessoal, o que corresponde a mais de 820 profissionais da cadeia produtiva.


“Esse é um edital muito importante para estimular a retomada do setor cultural da nossa cidade, com a geração de centenas de vagas de trabalho. Temos ainda mais cinco editais sendo preparados e em curso, entre eles o edital de Retomada Econômica do Setor Cultural, que tem investimento de R$ 1 milhão. São iniciativas essenciais para o fomento à cultura de Niterói, com investimentos estratégicos pensando em toda a cadeia produtiva do setor”, defendeu.


Entre os 29 projetos selecionados, está “O Mensageiro”, longa-metragem com direção de Lúcia Murat e roteiro de Tunico Amâncio.


“Principalmente no momento que passamos, e na conjuntura em que estamos inseridos, de grandes dificuldades para o setor, esse edital de Niterói é fundamental para fazer ressurgir a cultura e seu setor produtivo”, defendeu Lúcia Murat.


O 2º Edital de Fomento ao Audiovisual apresentou fortes características de inclusão, tanto de gênero quanto de raça. Das 16 produções contempladas na categoria audiovisual, 8 serão dirigidas por mulheres, sendo uma Trans, e 5 serão roteirizados por mulheres. Já o percentual de projetos dirigidos por pessoas negras é de 25% (4) e os roteirizados de 31% (5).




MALUGA_2.jpg