Buscar

Os youtubers e a nova geração de conteúdo Gonçalense, por Romario Regis


Na década de 90, a juventude gonçalense era representada majoritariamente pelo funk além de outras linguagens não tão populares. Nos anos 2000 foi o tempo do rock, bandas de garagem e os encontros de internet. Nos anos 2010 a internet vira um dos vetores para esses corpos se movimentarem.


A cena da Cultura Digital se dá de várias maneiras e através de várias caminhadas de grupos menores pra que todo esse ecossistema digital se estabeleça.

Um dos principais pilares é que a juventude de até 25 anos foi FORJADA na internet. As lan houses eram os principais Centros Culturais nos anos 2000, responsável pela maior parte da composição social da cidade. Muitos casais, famílias, amizades e relações que acontecem até hoje são fruto de uma geração que vivia na lan house e que começou a circular os bairros a partir dos clãs, encontros, msn e orkut.


A partir disso, temos três movimentos significativos. Um deles são os e-sports que é fruto das lan houses e de uma cena muito forte de Counter Strike, Warcraft e outros jogos. Outro movimento é o cenário do rap que surge após a decadência do rock nos anos 2000 a reboque das novas plataformas digitais que facilitavam a produção do rap como uma linguagem musical. A última e não menos importante são os veículos de comunicação que surgiram pela falta de mecanismos de encontro desde o Partiu (site de fotos), passando por veículos temáticos que hoje desembocam em páginas, jornais e pessoas que informam coisas.



O cenário dos youtubers é reflexo de uma formação digital informal de excelência que a cidade estabeleceu e que gerou, por algum motivo, uma série de conteúdos sobre diversos temas, principalmente os temas da moda e estética.


Um jovem ou uma jovem que se assume como youtuber em São Gonçalo não pode ser levado apenas como algo “infantil ou adolescente”. Se expressar em vídeo numa plataforma que qualquer um pode ver é, antes de mais nada, um desafio para poucos.


OS corpos dos jovens gonçalenses são maltratados por muitos anos. Sua movimentação nesse cenário de youtubers ou influenciadores digitais é uma caminhada pelo direito de ser visível, de ser visto, de ter seu corpo representado no universo digital e espelhado no universo físico.

Escrevi esse texto por conta de uma frase da Paula Machado, em que ela cita sua vizinha dizendo que a conhecia e que acompanhada seu canal. Essa sua fala é o tipo de conexão feita a partir das relações de representação. Uma menina de um bairro se vê no conteúdo de outra menina do mesmo bairro e isso acontece em outras dimensões.


São conteúdos customizados pois o poder econômico dos produtos é o mesmo. São conteúdos representativos pois são os mesmos perrengues pra viajar, namorar, sair. São conteúdos divertidos por que falam dos dilemas da própria cidade.

Romario Regis é Gonçalense nascido no Mutuapira, consultor de comunicação e político. Como fundador da Agência PapaGoiaba e comunicador popular, tem procurado boas histórias sobre São Gonçalo para compartilhar com as pessoas.


MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon