Policiais são indiciados por homicídio culposo no caso João Pedro

Por *Maria de Lourdes Nogueira

O Rolé de hoje começa com a notícia que os três policiais civis, suspeitos de participação na morte do menino João Pedro Matos Pinto, na época com 14 anos, em 18 de maio de 2020, foram indiciados por homicídio culposo (quando não há intenção de matar). A investigação foi conduzida pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá.


De acordo com o A Tribuna, na tarde desta quarta-feira (9), Rafaela, mãe de João Pedro, afirma ter tomado conhecimento do indiciamento, mas admite que ainda precisa se inteirar dos detalhes. Ao recordar da dinâmica do crime, ela afirma não acreditar que os policiais agiram sem intenção de matar naquela tarde em que João Pedro perdeu a vida.


Os policiais indiciados são Mauro José Gonçalves, Maxwell Gomes Pereira e Fernando de Brito Meister, lotados na Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) da Polícia Civil. A unidade estava atuando naquele dia, em comunidades do Complexo do Salgueiro, em apoio à Polícia Federal, que pretendia cumprir mandados de prisão contra traficantes naquela região. Ninguém foi preso até o momento.


Pelo O São Gonçalo, nesta quarta-feira (09), aconteceu o enterro da jovem Ana Caroline Felício, de 29 anos, no Cemitério Parque da Paz, assassinada a facadas pelo namorado, Marcus Vinicius Lemos Batista, de 42 anos, no bairro Laranjal, em São Gonçalo. Segundo informações, ele não teria aceitado bem um suposto término de namoro com a vítima. Ana estava com suas três filhas na hora do ocorrido. Ana trabalhava como manicure e vendendo hambúrguer enquanto o seu pai era pastor de uma igreja localizada na região.



Na tarde desta quarta-feira (9), o violoncelista Luiz Carlos Justino foi absolvido sumariamente após audiência de instrução no Fórum Desembargador Enéas Mazano, no centro de Niterói. A confirmação foi dada por Maria Clara Mendonça, advogada de defesa do músico. Luiz Carlos foi preso em setembro do ano passado durante uma abordagem policial, depois de uma apresentação musical na Estação das Barcas. Durante a ocasião, foi contado que havia um mandado de prisão por assalto a mão armada, que teria acontecido em 2017 (Plantão Enfoco).


Nesta terça-feira (8), a Pfizer anunciou que vai começar a testar sua vacina contra a covid-19 em um grupo maior de crianças com menos de 12 anos, após selecionar uma dose menor da vacina em um estágio mais inicial do estudo. A pesquisa vai envolver até 4.500 crianças em mais de 90 clínicas nos Estados Unidos, na Finlândia, Polônia e Espanha, segundo a empresa. Um porta-voz da Pfizer afirmou que a farmacêutica espera os dados para o grupo entre 5 e 11 anos em setembro e que provavelmente solicitará às agências reguladoras a autorização para uso emergencial no mesmo mês. Elas recebem a mesma dose que os adultos: 30 microgramas (O Fluminense).

Encerrando o Rolé de hoje, ao reunir novas evidências sobre a crise de oxigênio que aconteceu em Manaus em janeiro, a Polícia Federal descobriu que o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello e o Exército da Amazônia haviam sido alertados cinco dias antes pelo governo do estado sobre o colapso e não atenderam ao pedido de socorro, de acordo com a Folha de São Paulo. O ofício teria sido enviado a Pazuello e ao comandante militar da Amazônia, general Theophilo Oliveira, no dia 9 de janeiro e assinado pelo governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC). Em depoimento na CPI da Covid, em 19 de maio, o ex-ministro afirmou que só teve conhecimento da falta de oxigênio na noite do dia 10 de janeiro, em reunião com o governador e o secretário de Saúde do Amazonas (Toda Palavra).


Estagiária.



MALUGA_2.jpg
QV1.jpg