Buscar

Sarampo mata: gonçalenses atendem convocação de vacinação

A vacina está disponível em todos os postos de saúde do município

Milhares de pessoas procuraram os postos de vacinação desde o início da campanha/Foto: Divulgação

No segundo dia da Campanha de Intensificação de vacinação contra o sarampo, centenas de pessoas compareceram às unidades de Saúde para a imunização em São Gonçalo. Iniciativa da secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, a campanha "Rio sem sarampo" tem como objetivo a cobertura vacinal da população na faixa etária de seis meses a 49 anos. A doença já é considerada um surto desde a reintrodução do vírus no Brasil, em 2018, contabilizando 371 casos confirmados no Estado do Rio. A mobilização vai até o dia 13 de março em todas as 73 salas de vacinação espalhadas pelo município, das 8h às 17h. É importante que a população vá munida da caderneta de vacinação. Aqueles que não possuem o documento receberão o esquema vacinal de acordo com a idade.

Em 2019, o município vacinou 62 mil pessoas, com uma cobertura de 117% da população estimada de seis a 11 meses vacinada. Essa faixa etária é o grupo mais vulnerável ao sarampo.


A autônoma Ariane Carvalho, de 30 anos, moradora do Porto Novo, levou o pequeno Augusto, de três meses, para se vacinar. Ela destaca a importância de acompanhar a caderneta de vacinação das crianças e não deixar de atualizar.


- Eu acho que é sempre importante manter as vacinas atualizadas. Ele é o meu segundo filho e quero manter isso até ele ficar mais velho. É uma dor que ele, por ser pequeno, não entende agora, mas é para o bem da saúde dele - disse a mãe.


A moradora do Rocha, Bianca da Silva, de 29 anos, perdeu a caderneta de vacinação e foi ao Polo Washington Luiz para atualizar o esquema vacinal.

- Por não ter a caderneta vim aqui me informar e atualizar a vacina. Sei que é muito importante se vacinar, é uma questão de saúde pública - destacou.


O sarampo é uma doença infecciosa grave, causada por um vírus, que pode ser fatal. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. Os sintomas são febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz congestionado e mal-estar intenso. Em torno de 3 a 5 dias, podem aparecer outros sinais e sintomas, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo. Após o aparecimento das manchas, a persistência da febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade, principalmente em crianças menores de 5 anos de idade.


Recomenda-se que a imunização contra o sarampo seja realizada em três fases: a dose zero, entre os seis e 11 meses; a primeira dose, com um ano de idade, e a segunda e última dose, com um ano e três meses. A campanha é voltada para aqueles que não possuem o esquema de doses completo ou ainda os que não possuem nenhuma dose.


De acordo com o esquema vacinal do Ministério da Saúde, além da dose D (a primeira), pessoas de um a 29 anos devem ter duas doses comprovadas. Já pessoas de 30 a 49 anos que não possuem nenhuma dose devem tomar apenas uma.


Em 2019, 10 mil primeiras doses foram aplicadas em pessoas de 20 a 29 anos. Desse número, apenas 2.326 pessoas retornaram para tomar a segunda. Para a imunização completa, é importante estar com o esquema vacinal em dia e atualizado.


Todas as salas de vacinação do município aplicam a vacina. São elas:


Polo Sanitário Washington Luiz Lopes – Zé Garoto; USF Getúlio Vargas – Brasilândia; USF Juvenil Francisco Ribeiro – Engenho Pequeno; USF Armando Leão Ferreira – Morro do Castro; USF Madre Tereza de Calcutá – Estrela do Norte; UBS Haroldo Pereira Nunes – Porto Novo; USF Bocayuva Cunha – Gradim; UBS Robert Koch – Porto da Madama; USF Wally Figueira da Silva – Rocha; USF Barbosa Lima Sobrinho – Porto da Pedra; USF Bento da Cruz – Porto Novo; USF Ana Nery – Gradim; Clínica Municipal Gonçalense do Barro Vermelho; USF Luiz Carlos Prestes – Santa Catarina;


Polo Sanitário Paulo Marcos Rangel – Porto do Rosa; USF Alberto Farah – Mutuapira; USF Mahatma Gandhi – Jardim Califórnia; USF Alexander Fleming – Boaçu; USF Carlos Chagas – Fazenda dos Mineiros; USF Neuza Goulart Brizola – Palmeiras; USF Davi Capistrano Filho – Recanto das Acácias; USF Nova Cidade; USF Itaúna; USF Porto do Rosa; USF Albert Sabin – Itaoca; USF Jair Abrantes – Boa Vista; USF Mutuá; USF Mutuaguaçu; USF Leoncio Correa – Fazenda dos Mineiros;


Polo Sanitário Hélio Cruz – Alcântara; USF Irmã Dulce – Trindade; USF Tancredo Neves – Luiz Caçador; USF Bandeirantes; USF Oswaldo Cruz – Amendoeira; USF Adolfo Lutz – Pacheco; Clínica Municipal Gonçalense – Mutondo; USF Josyandra Mesquita – Colubandê; PAM Coelho;


Polo Sanitário Rio do Ouro; UBS Santa Izabel; UBS Doutel de Andrade – Maria Paula; UBS Hiparco Ferreira – Engenho do Roçado; USF Manoel de Abreu – Eliane; USF Badger Silveira – Tribobó; Clínica Dr Zerbini – Arsenal; USF Luiza de Marilac – Novo México; USF Marechal Cândido Rondon – Colubandê; USF Emílio Ribas – Barracão; USF Almerinda; USF José Avelino – Tribobó; USF Vila Candoza; USF Flávio Henrique Brito – Jóquei; USF José Jorge Cortes Freitas – Itaitindiba; USF Quinta Dom Ricardo – Santa Izabel; USF Marileia Cardoso – Jóquei;


Polo Sanitário Jorge Teixeira de Lima – Jardim Catarina; UBS João Goulart – Jardim Catarina; USF Jardim Catarina; USF Roberto Silveira – Bom Retiro; USF Santa Luzia; USF Largo da Ideia; Clínica da Família Marambaia; USF Floriano Barbosa – Jardim Catarina; USF Juarez Antunes – Laranjal; USF Luiz Paulo Guimarães – Laranjal; USF Aníbal Porto – Monjolos; USF Ary Teixeira – Bom Retiro; USF Louis Pasteur – Guaxindiba; USF Geremias Mattos Fontes – Bom Retiro; USF Elza Maria Borges – Santa Luzia; USF Agenor José da Silva – Jardim Catarina; USF Apolo III; PAM Neves.


MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon