Buscar

SG recebe equipamento para tratamento de HIV e hepatite

O município possui 2.500 pacientes soropositivos em tratamento utilizando o coquetel antirretroviral

São Gonçalo foi o primeiro município do Estado do Rio de Janeiro a receber o equipamento de carga viral rápida para HIV e hepatite C. Encaminhado pelo Ministério da Saúde, o aparelho possui uma técnica de alta sensibilidade que detecta e quantifica a carga viral, ou seja, o material genético do vírus, e baseado nesse resultado é que o médico infectologista avaliará se o paciente está respondendo ao tratamento. Com a nova aquisição, os resultados que antes levavam 15 ou 20 dias, serão obtidos no mesmo dia do exame. 


- Acreditar que a atenção primária à saúde é o princípio de toda organização da Rede de Assistência do município nos promoveu o entendimento que deveríamos agregar todos os conhecimentos e parcerias para produzirmos uma saúde de qualidade à nossa população. Somos o primeiro município do Estado do Rio de janeiro a receber o equipamento de carga viral rápida - explica o prefeito José Luiz Nanci.

Atualmente, através dos três Serviços de Atendimento Especializado (SAEs), localizados no Centro de Referência e Testagem Gonçalense, Polo Sanitário Hélio Cruz e Clínica Municipal Dr. Zerbini, o município possui 2.500 pacientes soropositivos em tratamento utilizando o coquetel antirretroviral. 

- Um dos objetivos do novo equipamento é guiar o início do tratamento com medicamentos em novos pacientes, inclusive gestantes e crianças. Com isso, temos um prognóstico muito bom dos pacientes que iniciam o tratamento e assim podemos intervir o mais precocemente possível - destacou Monique Gonzalez, coordenadora do programa municipal Ist/AIDS.

Em média, semanalmente, São Gonçalo realiza 200 atendimentos de testagem rápida, acolhendo moradores de São Gonçalo e regiões vizinhas como Maricá, Itaboraí e Niterói. De acordo com levantamentos do Serviço de Atendimento Especializado (SAE), a maior incidência de casos de HIV é de jovens entre 15 e 29 anos, com uma média de 13 a 17 casos por semana.

- O aparelho consegue avaliar a resposta ao tratamento baseado nesse teste que se chama carga viral. Ele tem a capacidade de realizar quatro testes em uma hora e meia. Esse teste é feito após o diagnóstico. Em alguns casos o médico só pode iniciar o tratamento após a carga viral. Então, o paciente podendo ter essa possibilidade de já ter um resultado no mesmo dia, isso muda a vida dele - afirmou a subsecretária de Atenção Básica, Maria Auxiliadora.

O novo Centro de Referência e Testagem Gonçalense, inaugurado em março, em sede própria, na Parada 40, atende pacientes com suspeita de Coronavírus que sejam pacientes portadores de doenças crônicas transmissíveis. A unidade é responsável por realizar testagem rápida para sífilis, HIV e hepatites virais. Referência no acolhimento e tratamento de pessoas com HIV, atualmente, o município acolhe 2500 pacientes soropositivos em tratamento utilizando o coquetel antirretroviral.

MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon