Buscar

Um antigo sonho, por Fábio Rodrigo


Era um homem que não tinha motivos para reclamar da vida. Chegara aos 45 anos esbanjando saúde. Emprego estável. Muito bem casado, uma mulher exemplar e dois filhos maravilhosos. Uma vida resolvida. Mas faltava-lhe algo. E não escondia isso de ninguém. Seu sonho era ter um autorama, já que não pôde ter um quando criança. Sempre diz que seus filhos têm tudo aquilo que ele não teve na sua infância. Talvez por motivos financeiros, não lhe foi dada a oportunidade de ganhar um de presente de seus pais. Jogar vídeo game com seus filhos não lhe satisfazia. Agradar seus filhos dando a eles o que há de mais moderno em matéria de jogos eletrônicos não era suficiente. Havia um vazio a ser preenchido. Queria realizar um antigo sonho. O autorama era sua obstinação. Sempre comentava sobre isso nas reuniões de família ou nas conversas com os amigos na mesa de bar.

Auto é um prefixoide e por isso possui uma grande carga de significação, ou seja, carrega sozinho uma parte significativa da palavra. Assim, quando lemos auto, nos vêm à mente várias palavras: automóvel, autodidata, autobiografia. Menos para o nosso personagem. Quando se vê diante deste prefixoide, a primeira palavra que surge em sua mente é autorama.


Certo dia, solicitou pela internet o tão sonhado autorama. Não via a hora de vê-lo na sua frente. Em poucos dias, sua encomenda foi entregue em sua residência. Quando chegou do trabalho, a primeira coisa que fez foi montá-lo bem no meio da sala de estar. Era todo êxtase neste momento. Afinal, era o seu maior desejo realizado. Era um lindo autorama, dos maiores e dos mais modernos que existem. Tinha dois lindos carros de fórmula 1 movidos a pilhas, uma Mclaren e uma Williams, que lembravam o duelo entre Ayrton Senna e Nigel Mansell. Neste dia, ficou tão maravilhado com seu novo brinquedo que não percebera sua esposa e seus filhos irem para cama dormir. No dia seguinte, comentou radiante com seus amigos de trabalho a sua mais nova aquisição. Sua rotina agora era chegar do trabalho e brincar até tarde com seu lindo autorama. Mesmo sozinho, aquele era seu maior divertimento. Até nos fins de semana, dedicava horas a seu maior sonho. Enquanto seus filhos jogavam vídeo game, ele brincava com seu autorama. Somente sua esposa visitava a casa de parentes próximos. Toda a família já começava a perceber que agora ele só dava atenção ao seu novo brinquedo. Até os amigos de bar notaram o seu sumiço.



Até que um dia, depois do trabalho, quando foi brincar com o autorama, percebeu que uma grande rachadura na pista o impedia de brincar. Tentou entender como aquilo havia acontecido, já que era extremamente cuidadoso com seu brinquedo. Perguntou à sua esposa e a seus filhos se, por algum descuido, alguém havia danificado seu brinquedo. Todos responderam que desconheciam o dano causado no autorama. Acusou a empregada apesar de esta jurar que não era a culpada. Ficou indignado com a situação. Foi dormir sem falar com ninguém. Acordou mal-humorado para ir trabalhar. No trabalho, todos perceberam o comportamento estranho dele. Em casa, sua esposa e seus filhos viam que ele não era mais aquela pessoa alegre de antes. Ficou assim durante um bom tempo.

Num belo dia, acordou disposto para ir trabalhar. Beijou seus filhos e sua esposa. Todos ficaram sem entender a mudança repentina no comportamento dele. Estava alegre neste dia. Talvez esquecera de vez o episódio ocorrido com seu brinquedo. Deu até bom dia à empregada. Os companheiros de trabalho passaram então a notar que ele estava mais animadinho. Finalmente, apareceu no bar, após o expediente, para tomar uma cerveja com os amigos. Voltou a ser o cara alegre e extrovertido com todos. Sempre brincalhão e contente com os amigos e familiares.


Todos evitavam conversar com ele sobre o acidente com seu autorama a fim de não martirizá-lo novamente. Ele nem tocava mais no assunto também. Até que um dia descobriram o motivo de seu entusiasmo. Ele aguardava ansioso a chegada de sua mais nova encomenda: a coleção completa do Comandos em Ação.

Fábio Rodrigo Gomes de Costa é professor mestre em Estudos Linguísticos.



MV1.2.jpg
MALUGA_2.jpg

© 2020 POR APOLOGIA BRASIL

  • w-facebook
  • Instagram
  • White Twitter Icon