top of page

Preso no caso Marielle, Rivaldo Barbosa é evangélico e compartilhava louvores na web

Como membro da comunidade evangélica, Barbosa compartilha regularmente conteúdo relacionado a Deus em sua conta no Instagram

Rivaldo Barbosa/Foto: Reprodução
Rivaldo Barbosa/Foto: Reprodução


O delegado Rivaldo Barbosa, recentemente detido pela Polícia Federal (PF) sob a acusação de ser o “mentor intelectual” do assassinato de Marielle Franco, é um fiel da Primeira Igreja Batista (PIB) do Recreio dos Bandeirantes, localizada na zona oeste do Rio de Janeiro.


Como membro da comunidade evangélica, Barbosa compartilha regularmente conteúdo relacionado a Deus em sua conta no Instagram, além de vídeos de louvores gravados na PIB Recreio.


Segundo relatos de membros da igreja, Barbosa e sua esposa, também alvo da investigação da PF, costumavam frequentar os cultos dominicais, mas não estavam envolvidos nas atividades ministeriais da congregação, conforme informações do colunista Guilherme Amado, do Metrópoles.


De acordo com as autoridades, Erika Andrade de Almeida Araújo, esposa de Rivaldo e empresária, é apontada como peça-chave nas operações financeiras fraudulentas conduzidas pelo delegado.


Ela é acusada de atuar como “laranja” do marido em empresas fictícias utilizadas para lavagem de dinheiro, movimentando mais de R$ 7 milhões entre janeiro de 2015 e dezembro de 2019.


Vale destacar que a prisão de Rivaldo Barbosa ocorreu no último domingo (25), juntamente com os irmãos Domingos e Chiquinho Brazão, apontados como mandantes do assassinato de Marielle e seu motorista Anderson Gomes.


Além de ser considerado o “mentor intelectual” do crime, Barbosa enfrenta acusações de obstrução das investigações enquanto ocupava cargos na Secretaria de Polícia Civil do Rio de Janeiro. Segundo a PF, suas ações deliberadas resultaram na perda de evidências cruciais durante os momentos iniciais após o crime, conhecidos como as “horas de ouro”.

Abaixo, uma postagem de cunho religioso do delegado:


De DCM.


Nos siga no X AQUI.

Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI.

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI.


Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.

POLÍTICA