top of page

Responsáveis por racismo contra Maju Coutinho tem condenações mantidas

Érico Monteiro e Rogério Sales já haviam sido julgados e condenados a 6 e 5 anos, respectivamente, por ataques racistas à jornalista


 Foto: Reprodução / TV Globo
Foto: Reprodução / TV Globo

DCM - A Justiça de São Paulo decidiu nesta terça (18) por manter a condenação de dois homens por atos de racismo contra a jornalista Maju Coutinho, da Rede Globo. Eles praticaram racismo e injúria racial e foram condenados por falsidade ideológica e corrupção de menores.


Os homens utilizaram perfis falsos nas redes sociais, acessaram a página da empresa a atacaram Maju Coutinho se referindo à da pele da apresentadora. Augusto Siqueira, que foi desembargador do recurso, disse que as ofensas atingiram um “número indeterminado de pessoas, não apenas a ofendida, de modo que configuram bem o crime de racismo”.




“Estavam plenamente cientes de que as publicações tinham conteúdo reprovável – aliás. Criminosos – com repercussão negativa, suficiente para a retirada da página do Jornal Nacional”, completou o desembargador.


Erico Monteiro e Rogerio Sales já haviam sido julgados e condenados a 6 e 5 anos, respectivamente, por ataques racistas à jornalista Maju Coutinho. O caso aconteceu em março de 2020.




Na sentença do juiz, ele declarou que “Na liderança da comunidade cibernética denominada ‘Warning’, e sob pena de exclusão, ordenaram que seus membros efetuassem postagens de cunho preconceituoso e discriminatório contra a raça negra e a cor preta, o que efetivamente aconteceu, e de modo maciço e impactante. (…) Ao atacar figura pública emblemática, os réus visavam – e de alguma forma obtiveram – ampla repercussão de suas mensagens segregacionistas”.

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.