top of page

Reunião de traficantes na Maré chegou a ter mais de 20 veículos de luxo, diz polícia

Um deles, conhecido como Mangolê utiliza uma Range Rover avaliada em R$ 500 mil


Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Traficantes de favelas do Complexo da Maré percorrem a comunidade em veículos de luxo roubados, segundo relatórios da Polícia Civil do Rio de Janeiro, obtidos pelo g1.


Em uma ocasião, em julho de 2022, 20 veículos que seriam usados pelos criminosos ficaram estacionados ao redor do local de reunião do tráfico.

Nesta sexta (13), a PM iniciou o 4º dia de operações na comunidade.


O grupo se encontrou ao lado da área de lazer onde eram dados treinamentos de guerrilha aos bandidos, na favela Vila do João – uma das 16 comunidades que compõem o complexo.


Esta semana, em uma operação na Maré, as forças de segurança do RJ recuperaram 33 veículos roubados. Nenhum chefe da facção Terceiro Comando Puro (TCP), que controla o tráfico na região, foi preso.



Na terça (10), no segundo dia de operações conjuntas contra o tráfico, policiais retomaram o clube que tinha sido transformado em um centro de treinamento tático, como revelado em reportagem do Fantástico.


Cerca de mil homens das polícias Civil e Militar fizeram operação em 8 localidades da Maré, entre elas a Vila do João e a Vila dos Pinheiros. Eram 54 mandados de prisão a cumprir.

A investigação descobriu que um dos carros, uma Range Rover, modelo Velar, é utilizada pelo traficante Michel de Souza Malvieira, o Mangolê. O veículo é avaliado em cerca de R$ 500 mil.


Mangolê deixou a prisão em maio de 2020, após ficar preso por oito anos, por decisão judicial. O motivo da soltura: superlotação do presídio.

Ao chegar na comunidade, o criminoso foi recebido com uma queima de fogos. Um relatório interno da PM diz que Mangolê já saiu do presídio com a missão de tomar o controle do tráfico de drogas na comunidade da Nova Holanda.



O carro percorre a comunidade com uma fita adesiva na placa, dificultando que se descubra onde ele foi roubado ou furtado.


Na reunião flagrada, é possível ver crianças brincando e moradores transitando ao redor normalmente.


Bocas-de-fumo para a venda de drogas funcionam em barracas instaladas nas ruas, à luz do dia e sem qualquer preocupação com uma possível operação policial.


Um menor foi flagrado com um fuzil no ombro. Ele conversa em uma "roda" com outro homem armado, maior de idade, e um terceiro em que é possível ver o rádio transmissor.


*Com informações G1


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso canal do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.




POLÍTICA