top of page

Robótica Fênix do SESI-SENAI de São Gonçalo conjuga tecnologia e literatura municipal

O escritor Erick Bernardes, autor dos livros Cambadas, que contam a história de São Gonçalo, foi convidado a conhecer pessoalmente o trabalho da Equipe Fênix


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O curso de Robótica do SESI/SENAI de São Gonçalo criou o Projeto Inovação que visa popularizar a ciência e a arte através do prazer da pesquisa. Trata-se de uma iniciativa que tem por princípio unir literatura e tecnologia por meio das narrativas acerca da cultura gonçalense, criação de um livro e contação de histórias infantis contextualizadas no município de São Gonçalo.


Perguntamos ao Professor Cláudio Veiga como o projeto iniciou: “Bem, no começo ainda não sabíamos exatamente o foco do projeto de inovação. Tínhamos apenas a informação do nome, MASTERPIECE, e a certeza de que estaria ligado ao “A” de STEAM, ou seja, arte. O ponto de partida foi esse. Muito se discutiu e várias ideias foram surgindo. Algumas de grande proporção como o “busarte”, que seria um ônibus adaptado para correr o estado com uma trupe de artistas fixos e parar em cidades para conhecer e incentivar a arte local. Mas descobrimos que já existiam projetos iguais a este em várias partes do Brasil e do mundo”.


O professor Victor Correia N. da Silva também comentou: “Pensamos em inovação na arquitetura que misturava a funcionalidade dos brises e a arte cinética, inovando assim no design, mas na maioria dos casos, as ideias se passavam pela “democratização do acesso a arte”.

A primeira reunião após o lançamento da temporada foi decisiva. Os membros da equipe levantaram a seguinte questão: Qual o seu principal hobbie? O que vocês amam fazer? Para surpresa de alunos e professores, dos sete membros, 5 disseram que amavam ler e os outros 2 falaram que também gostavam de ler, mas amavam cozinhar, principalmente doces. E foi a partir deste ponto que começaram as pesquisas. Pesquisas foram feitas a partir de artigos, como o da Professora da UFPI, maria Vilani Soares, que explora os motivos de os alunos não gostarem de ler. E entre os fatores está o fato de que a leitura é sempre apresentada de forma tardia e mecânica, sem algo que possa levar ao prazer


Novamente, de acordo com os professores Cláudio Veiga e Victor Correia N. da Silva: “Estivemos também na Bienal do livro num dia especial, pois tivemos a oportunidade de participar de 3 momentos extremamente enriquecedores: A palestra “Contadores de histórias” com Neal Shusterman e Lázaro Ramos, onde eles falaram de como fazem para criar as tramas de uma história para que seja interessante para o leitor. Isso nos fez pensar em criar um livro. Estivemos também numa palestra com o grande Maurício de Souza, que falou muito sobre esse mundo infanto juvenil. Ficamos mais encantado pelo mundo da leitura. Assistimos uma oficina de contadores de histórias da Prefeitura do Rio de Janeiro, que nos fez pensar em muitas propostas de inovação para a prática do contador de histórias. A ideia central do nosso projeto estava se concretizando. Aproveitamos a Bienal também para mergulhar no mundo do livro infantil, e compramos muitos livros, é claro!”

Criou-se o projeto “C.H.A. com Brownie”. C.H.A. significa Contação de Histórias Animadas e ela será mediada por uma personagem criada chamada Brownie, uma coruja muito inteligente e divertida. Mas quais seriam as inovações? Bem, os contadores de histórias possuíam vários tipos de livros, mas sempre que precisavam mostrar imagens tinham que virar o livro para os ouvintes. Resolveram, então, criar um livro pop up que teria uma inovação, as imagens pop up surgiriam na perspectiva do ouvinte e não do leitor com de costume. Essa inovação tecnológica agradou muito à Professora e contadora de histórias Gabriella, que confirmou que não existe um livro com esta característica. Outra inovação seria o uso de um cenário simples que por si só fizesse a ligação do lúdico da história com o livro, e surge então o “grande livro”. Mais uma inovação foi o uso de um figurino para a contadora de histórias, pois normalmente não existe nada especial acerca da história do município de SG.

Algo que se faz extremamente importante de ser dito é que a equipe contou com ajudas especiais. As imagens do livro foram feitas pelos fotógrafos DIMCarvalho e Marlon Vieira (Lom Fotógrafo), pois o livro falava de uma grande aventura da Fênix pela nossa cidade, São Gonçalo. Este tema foi escolhido por que não identificamos nenhum material que exaltasse nossa cidade, feito para essa faixa etária, e as crianças iriam se exaltar vendo e identificando os lugares por onde já passaram. Esta é uma técnica aprendida com a palestra de contadores de histórias da Bienal para prender a atenção e o interesse. E este seria apenas o primeiro de uma sequencia de 3 livros que pretendemos fazer. O segundo será sobre a história da cidade e o terceiro sobre personalidades do nosso município. O figurino foi criado pela figurinista Hello Brasil que é uma grande parceira e está sempre fazendo oficinas de customização no Recuperate. Algumas personagens na história foram desenhadas pela ilustradora Cally. O cenário foi idealizado por todos os membros da equipe e teve um desenho feito pelo arquiteto e professor Claudio Veiga.

A primeira contação de histórias do projeto foi emocionante, ocorreu numa das escolas de São Gonçalo e terminou com um delicioso lanche regado a chá gelado com brownie, feito pelos membros da equipe que gostam de cozinhar. Assim juntaram os dois hobbies, cozinha e literatura. Foi um sucesso!

O escritor Erick Bernardes, autor dos livros Cambadas, que contam a história de São Gonçalo, foi convidado a conhecer pessoalmente o trabalho da Equipe Fênix, e afirmou estar encantado com o projeto: “De fato fiquei surpreso, o trabalho é inovador e prazeroso de ver. No começo achei que fui convidado para somente falar das crônicas históricas dos Cambadas, mas não, foi bem mais que isso. Ouvi, assisti e tomei contato com tanta coisa incrível que meu queixo caiu. Alunos e professores me fizeram lembrar da máxima de Roland Barthes, de que sabores e saberes têm a mesma raiz etimológica. Realmente o prazer e o saber proporcionado por essa galera da robótica do SESI/SENAI me encantou”.

A equipe Fênix informou que as ações não pararão por aí, pois já estão buscando uma parceria formal com a Prefeitura de São Gonçalo para apresentar em outras escolas e produzir os outros livros. Algumas escolas particulares também estão desejando a visita do projeto. Além dos professores citados nesta reportagem, fazem parte da equipe os alunos Micaella Tienne Alves, Kézia Frazão Fonseca, Sofia dos Santos Teixeira, Julia Cordeiro Pontes da Silva, André Benevenuto Chagas, Davi Santos Alentejo, Kelly Cristine da Costa Lobão. A Kézia está fazendo o curso de livros pop-up e a contadora de histórias é a Kelly.

A ideia é propor uma ação nas bibliotecas públicas, pois ao final pode-se indicar novas leituras para as crianças e assim, quem sabe, fazer a iniciação de novos frequentadores de bibliotecas.

VAI UM CHÁ COM BROWNIE AÍ?!!!


Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.