top of page

São Gonçalo como objeto de colecionismo: Filatelia, por Rui A. Fernandes


Selo em homenagem a Zélio Fernandino de Araújo, fundador da Umbanda
Selo em homenagem a Zélio Fernandino de Araújo, fundador da Umbanda

O selo postal é uma estampilha, adesiva ou fixa, destinada a comprovar o pagamento da prestação de um serviço postal. Normalmente é um pequeno retângulo que é afixado em um envelope representando que a pessoa tem o envio total ou parcialmente pagos para a entrega. Alternativas de pagamento incluem os envelopes postais pré-pagos e a máquina de franquia postal.


A palavra selo origina-se dos termos sigillum ou sigillu que possuem várias acepções: selo, signo, sinal, sinete, chancela, marca, carimbo, estampilha, cunho, distintivo, símbolo, emblema etc.


Em 06/05/1840, na Inglaterra, surgiu o primeiro selo, o Penny Black. Seu idealizador foi Sir Rowland Hill, membro do parlamento do Reino Unido, que o projetou para que o remetente pagasse pelo envio da correspondência. Antes era o destinatário quem pagava pela correspondência. Havia um grande número de devoluções de cartas pois o destinatário lia a mensagem, enviada em códigos pelo remetente, e devolvia para não pagar a tarifa, gerando prejuízos para o Correio.


Três anos depois, em 01/08/1843, o Brasil tornou-se o segundo país do mundo a adotar o selo postal, ao emitir o “Olho de boi” em três séries de valor: 30 réis (856.617 exemplares), 60 réis (1.335.865 exemplares) e 90 réis (341.125 exemplares). Recebeu essa denominação pela semelhança com o olho do animal. A este seguiram-se o “Inclinado”, em 1844, o “Olho de cabra”, em 1850; e o “Olho de gato”, em 1854.


Em 1989 foi lançado o modelo tridimensional, chamado como holográfico, sendo reconhecido como o segundo país a distribuir um exemplar mais criativo e melhor elaborado. O Brasil foi o primeiro país a lançar um selo postal em braile. Os selos brasileiros já conquistaram vários prêmios internacionais como o Piracema, em 2006.


Os selos registram fatos célebres; campanhas sociais, artísticas e culturais; tipos profissionais; aspectos geográficos e elementos da flora e fauna de um país; homenageia artistas, esportistas, políticos e personalidades que se destaquem em seus ramos de atuação, etc.

Com o passar do tempo os selos tornaram-se objetos colecionáveis levando a criação de um ramo de colecionismo e de estudo chamado filatelia. Este envolve a filatelia tradicional, a história postal, pré-filatelia, marcofilia ou carimbologia, inteiros postais, filatelia temática, aerofilatelia, astrofilatelia, maxmafilia, filatelia juvenil, literatura filatélica, selos fiscais, classe aberta e a quadra.


Sua origem também está vinculada ao Reino Unido. Em 1856, surgiu a Casa Filatélica Stanley Gibbons especializada em avaliações de selos que, ainda hoje, dita os preços internacionais do setor. No Brasil, por volta de 1860, já havia aqueles que se reuniam para discutir as particularidades das peças e formar coleções. Em 1882, foi lançada a revista O Brazil Philatelico, a primeira publicação filatélica brasileira. Seu organizador, Luís H. Levy, foi um dos fundadores da Sociedade Philatélica Paulista, em 30/04/1919. Estima-se que hoje a filatelia tenha cerca de 40 milhões de adeptos em todo o mundo.


Aqueles que desejem tornar São Gonçalo seu objeto de coleção filatélica podem seguir duas possibilidades: a carimbologia ou marcofilia e a filatelia temática buscando selos cujas temáticas relacionem-se a aspectos locais. No primeiro caso o site do engenheiro Paulo Roberto Novaes de Oliveira, http://agenciaspostais.com.br/, reúne um interessante conjunto de imagens de carimbos postais. Seu criador informa possuir, em seus registros, informações sobre mais de 50 agências cadastradas ao longo do tempo, sendo que a mais antiga teve seu início em 1852. Muitas dessas agências foram criadas e vinculadas às estações de ferroviárias ou a portos. Havia também uma vinculada à Hospedaria de Imigrantes da Ilha das Flores que atendia aos estrangeiros que ali ficaram alojados entre 1883 e 1966.


No segundo, a filatelia temática, temos conhecimento de apenas dois selos alusivos à São Gonçalo.


Em 13 de maio de 2014, foram lançados o selo e o carimbo “Umbanda – Sincretismo religioso brasileiro”, alusivos ao aniversário centenário da Umbanda ocorrido seis anos antes, em 2008. Trata-se de um selo de 1º porte – Carta Comercial. Sobre o fundo vermelho visualizamos a imagem de Zélio Fernandino de Araújo, fundador da Umbanda. Esta representação de Zélio Moraes foi feita por Claudio Gianfardoni e tornou-se sua imagem oficial. Ele também é composto de dois atabaques e o símbolo oficial da religião. Na parte inferior há uma faixa verde sobre a qual consta a inscrição “Umbanda – Sincretismo Religioso Brasileiro”, em letras amarelas. Essa representação alude à sua condição de primeira religião criada no Brasil.


Dois anos depois, em 27 de julho de 2016, foram lançados o selo e o carimbo relativo aos 133 da criação da Hospedaria de Imigrantes da Ilha das Flores. Sua obliteração ocorreu durante a inauguração do Museu da Imigração da Ilha das Flores. Trata-se de um selo de 1º porte – Carta comercial. O projeto gráfico foi de Nancy Rosa Torres. A imagem reproduzida, trata-se de uma fotografia feita a partir da ilha dos Ananás, e retrata o pavilhão administrativo, o cais do desembarque e as embarcações que levaram os imigrantes do porto do Rio de Janeiro para a Hospedaria. Provavelmente é da década de 1940. Esta imagem foi utilizada para definição da identidade visual do Museu da Imigração. Entre a representação do pavilhão e os dados do selo consta um carimbo com a inscrição Museu da Imigração da Ilha das Flores.


Imagem 1: Envelope postado durante a Feira de Amostras de São Gonçalo, comemorativa ao cinquentenário do Município. Constam os carimbos da Feira de Amostras e da Agência Postal de São Gonçalo. 22/09/1940. Fonte: http://agenciaspostais.com.br/?page_id=20156.

Imagem 2: Selo e Carimbo: Umbanda – Sincretismo Religioso Brasileiro. 13/05/2014. Brasília/DF. Acervo Pessoal

Imagem 3: Selo e Carimbo: 133 anos de criação da hospedaria da Ilha das Flores. Museu da Imigração. 27/07/2016. São Gonçalo/RJ. Nancy Rosa Torres. Acervo Pessoal

Bibliografia


LINARES, Ronaldo Antônio. 13 de maio de 2014. Fonte: http://www.selosefilatelia.com/PastaLancamentos2014/009.html . Acessado em 24/07/2020.


OLIVEIRA, Paulo Roberto Novaes de. São Gonçalo. Fonte: http://agenciaspostais.com.br/?page_id=376 Acessado em 20/07/2020.


SALCEDO, Diego Andres. A ciência nos selos postais comemorativos brasileiros. 1900-2000. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2010.

Rui Aniceto Fernandes é professor de História do Departamento de Ciências Humanas (DCH) da Faculdade de Formação de Professores (FFP-UERJ).