top of page

São Gonçalo orienta sobre vacinação antirrábica humana

Polos sanitários avaliam melhor forma de tratamento


Foto: Luiz Carvalho
Foto: Luiz Carvalho

Mordeduras e arranhões de animais domésticos ou silvestres infectados com a raiva animal podem levar os humanos à morte. Por isso, o mais prudente após o incidente é procurar as unidades de saúde para tomar a vacina ou o soro antirrábico humano. Em São Gonçalo, os atendimentos acontecem em todos os polos sanitários, distribuídos por cinco bairros, para a avaliação da lesão. A aplicação da vacina, no entanto, é realizada em dois deles: Washington Luiz Lopes, no Zé Garoto, e Hélio Cruz, em Alcântara, em dias específicos. O soro só é aplicado no Pronto Socorro Central, no Zé Garoto, para os casos mais graves.




“No atendimento antirrábico, o profissional de saúde vai orientar o paciente após avaliar o acidente e a lesão. Com a avaliação, ele vai estabelecer a conduta a ser realizada, como se há necessidade ou não da vacina e/ou soro antirrábico, assim como a quantidade de doses da vacina”, disse a coordenadora da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil, Melissa de Mello.


Normalmente, a vacina é indicada para os acidentes com animais potencialmente transmissores da raiva e o soro será utilizado com a vacina quando o acidente for com animal morto/desaparecido e animal silvestre.




“São imunobiológicos diferentes. A vacina estimula o organismo a produzir anticorpos e o soro já possui anticorpos prontos. A avaliação do profissional responsável vai dizer o que será necessário. Em animais observáveis, por exemplo, são duas doses da vacina. Mas mordeduras de animais silvestres são quatro doses e a dose única do soro”, explicou a enfermeira da equipe técnica da Vigilância Epidemiológica, Laís Refina Franco Coutinho.


A aplicação da vacina antirrábica acontece no Polo Sanitário Washington Luiz Lopes às segundas e quintas, e no Polo Sanitário Hélio Cruz às terças e sextas, sempre das 8h às 17h.

Nos feriados, os polos abrem, exclusivamente, para vacinação antirrábica, das 8h às 12h.

Quando necessária a aplicação do soro antirrábico, o paciente é encaminhado ao Pronto Socorro Central (PSC), no Zé Garoto, que funciona 24h todos os dias.




O atendimento para avaliação da lesão ocorre nos polos de segunda a sexta, das 8h às 17h. Em casos de acidentes graves que necessitam de atendimento de urgência ou emergência, fora do horário de atendimento nos polos sanitários, o paciente é encaminhado ao PSC para avaliação.


“A raiva humana é uma doença grave que atinge 100% de letalidade. Dessa forma, a vacinação é imprescindível para a prevenção deste agravo”, finalizou Melissa.



POLÍTICA