top of page

Secretário de Estado dos EUA elogia parceria com Brasil após reunião com Lula

Blinken está no Brasil para participar da reunião de chanceleres do G20

Antony Blinken, secretário de Estado dos Estados Unidos, e o presidente Lula. Foto: Ricardo Stuckert
Antony Blinken, secretário de Estado dos Estados Unidos, e o presidente Lula. Foto: Ricardo Stuckert


DCM - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu nesta quarta-feira (21) o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, no Palácio do Planalto. Após a reunião, Blinken brevemente descreveu o encontro como “ótimo”, enfatizando a parceria entre os dois países em questões bilaterais, regionais e globais, expressando gratidão pela amizade entre os dois países.


“Foi uma ótima reunião. Sou grato ao presidente pelo seu tempo. Os Estados Unidos e o Brasil estão fazendo coisas muito importantes juntos. Estamos trabalhando conjuntamente em assuntos bilaterais, regionais e globais. É uma parceria muito importante e somos gratos ao Brasil pela amizade”, disse Blinken aos jornalistas presentes.


Questionado se a situação na Faixa de Gaza, onde Israel ataca palestinos sob o pretexto de “extinguir” o Hamas, foi discutido na conversa com Lula, o secretário não respondeu diretamente.


O encontro aconteceu em meio a um aumento da tensão entre Brasil e Israel e um dia após o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller, expressar discordância com a comparação feita por Lula sobre a ação israelense na Faixa de Gaza com o Holocausto promovido por Adolf Hitler na Alemanha nazista.


Segundo Miller, “obviamente” os EUA discordam da declaração. “Fomos bastante claros que não acreditamos que um genocídio ocorreu em Gaza. Queremos ver o conflito encerrado quando for possível. Queremos ver aumento de ajuda humanitária para civis em Gaza. Mas não concordamos com esses comentários”, afirmou.


Em seu perfil no X, antigo Twitter, Blinken destacou que o Brasil é “um parceiro fundamental em muitas questões, incluindo o combate à crise climática e a promoção dos direitos humanos e trabalhistas”. Já Lula escreveu que a conversa foi “sobre o G20, a iniciativa pela melhoria da condição dos trabalhadores que lançamos com o presidente Biden, a proteção do meio ambiente, a transição energética, a ampliação dos laços de investimento e cooperação entre nossos países e sobre a paz na Ucrânia e em Gaza”.


A visita de cortesia tinha como objetivo discutir questões da agenda bilateral, mas era esperado que Lula e Blinken também abordassem a situação política na Venezuela e o conflito na Faixa de Gaza.


Não estava previsto que o presidente brasileiro abordasse diretamente a crescente tensão com o governo de Israel. Caso o assunto fosse mencionado pelo secretário estadunidense, Lula deveria defender seu ponto de vista.


Blinken está no Brasil para participar da reunião de chanceleres do G20, grupo que reúne as 19 maiores economias do mundo, além da União Europeia e da União Africana. O evento ocorre nesta quarta-feira (21), no Rio de Janeiro, e terminará na quinta-feira (22).




Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua. 

POLÍTICA