top of page

'Será um inverno longo', diz Haddad sobre combate à extrema-direita

Em entrevista, o ministro reconheceu a necessidade de melhorias na comunicação digital do governo e no enfrentamento das fake news

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, falou sobre o primeiro ano do terceiro mandato do presidente Lula (PT), abordando questões como comunicação digital, combate às fake news e desafios políticos, em uma entrevista exclusiva concedida à Folha de S.Paulo em seu gabinete no Ministério da Fazenda, em Brasília.


Haddad destacou que o governo Lula está comprometido com uma “saída democrática” para lidar com a disseminação de discursos de ódio nas redes sociais, em contraste com abordagens autoritárias adotadas por outros países, mas que precisa aprender a lidar com a extrema-direita, o que será, segundo ele, “um inverno longo”.


O ministro reconheceu a necessidade de melhorias na comunicação digital do governo e no enfrentamento das fake news, destacando o desafio global enfrentado por muitas nações. “Eu concordo com os críticos que dizem que nós ainda estamos muito analógicos nas redes sociais. O combate às fake news é um problema ainda para nós”, afirmou Haddad.


“A extrema-direita não é episódica. Ela pode até durar pouco no curso da História. Mas às custas de muita destruição às vezes. Às vezes as pessoas exigem do Lula uma coisa que ninguém está disposto a oferecer por si próprio. Ele é um ser humano. Sofreu, passou agruras e enfrentou desafios que pouca gente teria condições de superar”, disse antes de mencionar a Segunda Guerra como um episódio causado pela extrema-direita. “Foram 60 milhões de vidas perdidas”, explicou.


Sobre o presidente Lula, Haddad compartilhou sua percepção sobre a evolução do líder político ao longo dos anos, observando mudanças em sua abordagem e perspectiva. Ele destacou que Lula é “um produto da modernidade” e enfatizou a importância de proteger o Estado laico em meio ao uso malicioso da religião na política.


No contexto político, Haddad analisou o cenário atual, destacando a aliança entre o PT e alguns partidos de direita como uma medida para evitar o “mal maior”, referindo-se aos grupos bolsonaristas. Ele ressaltou a importância de uma repolarização em torno de perspectivas democráticas e saudáveis.


Para exemplificar seu ponto, o ministro analisou que “enquanto a extrema-direita estiver com essa força e com esses instrumentos de ataque, essa aliança será uma proteção para o país. Isso ocorre também em Portugal, na Espanha, mundo afora”.


Ao discutir as questões econômicas, Haddad abordou a importância da reforma tributária e criticou a gestão anterior, de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro (PL) descrevendo-a como falha em suas promessas e fantasias. Ele reforçou o compromisso do governo com políticas públicas eficazes e a reorganização do Estado em diversas áreas.


“A reforma da Previdência foi feita à revelia dele. Falavam coisas fantasiosas, que ela geraria uma economia de R$ 1 trilhão. Que mais R$ 1 trilhão seriam arrecadados em privatizações. Que haveria ajuste fiscal no primeiro ano de governo”, afirmou. E o que aconteceu? Nada. O déficit em 2020 foi de quase R$ 1 trilhão”, disse na entrevista publicada neste domingo (28).


Nos siga no BlueSky AQUI.

Entre no nosso grupo de WhatsApp AQUI

Entre no nosso grupo do Telegram AQUI

 

Ajude a fortalecer nosso jornalismo independente contribuindo com a campanha 'Sou Daki e Apoio' de financiamento coletivo do Jornal Daki. Clique AQUI e contribua.



POLÍTICA